Rei saudita deve nomear príncipe Nayef como seu herdeiro

O rei Abdullah da Arábia Saudita deve nomear o ministro do Interior, príncipe Nayef, como seu herdeiro, após encerrar o luto na quinta-feira pela morte do príncipe Sultan, oficializando uma sucessão tranquila no maior produtor de petróleo do mundo.

ANGUS MCDOWALL, REUTERS

26 de outubro de 2011 | 13h52

Nayef já administrou o dia a dia do reino por longos períodos nos últimos anos, durante as ausências tanto do rei Abdullah como do príncipe Sultan, que morreu no sábado.

Devido à idade e aos problemas de saúde do rei, o novo príncipe herdeiro deve assumir um papel ainda mais ativo imediatamente.

Um Conselho de Lealdade da família governante, criado pelo rei em 2006, deve aprovar o nome do novo príncipe herdeiro após o encerramento do luto por Sultan na quinta-feira. O órgão pode intervir se alguma coisa acontecer ao governante antes que o herdeiro seja nomeado.

"Há um mecanismo institucionalizado pronto," disse Hossein Shobokshi, um colunista saudita. "O príncipe herdeiro estava se deteriorando por algum tempo, então eles não foram pegos de surpresa. Deve ocorrer extremamente em ordem."

"Estávamos esperando por esse desdobramento e as coisas vão ser anunciadas a partir de um ponto de vista protocolar, após o período de luto acabar," acrescentou.

Está em jogo a estabilidade de um importante aliado de segurança dos Estados Unidos, e que exerce grande influência sobre muçulmanos sunitas através da sua tutela dos lugares mais sagrados do islã: Meca e Medina.

O reino se opôs aos levantes da "Primavera Árabe" que causou instabilidade nos vizinhos Iêmen e Barein, temendo que as manifestações pudessem criar aberturas para o rival regional xiita Irã.

Abdullah aceitou as condolências de líderes que visitaram o país para o funeral de terça-feira, usando uma máscara cirúrgica apenas uma semana após uma operação nas costas.

Entre as autoridades que foram prestar condolências ao rei depois de um recital de oração estava o chanceler do Irã, Ali Akbar Salehi. Uma delegação dos EUA liderada pelo vice-presidente Joe Biden é esperada em Riad na quinta-feira.

Mais tarde, Nayef foi mostrado na televisão encontrando o rei da Jordânia e altos funcionários do Emirados Árabes Unidos.

Nayef, nascido em 1933, foi várias vezes descrito por liberais sauditas como um conservador anti-reformas, susceptível a ter uma abordagem cautelosa para mudanças sociais e políticas, enfatizando a segurança nacional na política externa.

Após os ataques de 11 de setembro de 2001 contra os Estados Unidos ele disse duvidar que algum cidadão saudita estivesse envolvido. Descobriu-se depois que 15 dos 19 sequestradores dos aviões eram sauditas.

Alguns diplomatas e analistas dizem que o homem que serve como ministro do Interior desde 1975 pode mostrar um lado mais pragmático como príncipe herdeiro -- e, eventualmente, como rei.

Cerca de 60 por cento dos sauditas estão abaixo dos 30 anos e com um alcance da Internet de 44 por cento da população, de acordo com o internetworldstats.com, os jovens do país estão cada vez mais voltados para o exterior.

O rei Abdullah também pode instituir uma remodelação mais ampla do gabinete.

Mais conteúdo sobre:
ASAUDITAREIHERDEIRO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.