Rei saudita promete esmagar terroristas em mensagem do ramadã

O rei da Arábia Saudita, Abdullah, prometeu esmagar os militantes islâmicos que ameaçam o reino em uma mensagem de ramadã neste sábado, dizendo que o maior exportador de petróleo do mundo não toleraria "um bando de terroristas".

REUTERS

28 de junho de 2014 | 18h28

As declarações, divulgadas pela agência estatal de notícias, foram feitas dois dias depois de o monarca ter ordenado todas as medidas necessárias para proteger o país contra potenciais "ameaças terroristas" resultantes de turbulências no vizinho Iraque, onde militantes islâmicos sunitas tomaram algumas cidades do governo do primeiro-ministro xiita, Nouri al-Maliki.

"Nós não vamos deixar que um bando de terroristas que tomaram a religião como um disfarce por trás do qual escondem interesses privados para aterrorizar os muçulmanos protegidos, toquem a nossa pátria ou qualquer de seus filhos ou de seus moradores protegidos", disse o rei Abdullah em uma mensagem no início do sagrado mês muçulmano do ramadã.

A Arábia Saudita esmagou a Al Qaeda depois que o grupo começou uma campanha de bombardeios e ataques a instalações vitais no reino.

O país divide uma fronteira de 800 quilômetros com o Iraque.

(Por Ali Abdelatti)

Tudo o que sabemos sobre:
MUNDOARABIASAUDITATERRORISMO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.