Rei saudita volta ao país e anuncia benefícios sociais

O rei saudita, Abdullah, retornou nesta quarta-feira à Arábia Saudita, após três meses de tratamento médico no exterior, e anunciou uma série de benefícios para a população, num valor total estimado em 35 bilhões de dólares, informou a televisão estatal.

REUTERS

23 de fevereiro de 2011 | 10h56

Os benefícios, que incluem recursos para compensar a inflação em alta, ajuda a jovens desempregados e financiamento de estudos no exterior, foram divulgados num momento em que ocorrem em vários países do mundo árabe manifestações populares de protesto contra a pobreza, corrupção e falta de democracia.

A oferta do rei não inclui reformas políticas no regime do país -- uma monarquia absolutista --, tais como eleições municipais, que vêm sendo uma exigência de grupos de oposição e políticos liberais.

O reino não tem Parlamento eleito e não tolera dissidentes políticos.

Abdullah, que estaria com cerca de 87 anos, viajou para os Estados Unidos em novembro para tratamento de uma hérnia de disco. Nas últimas quatro semanas ele estava se recuperando no Marrocos de uma cirurgia realizada em Nova York.

O rei foi recepcionado no aeroporto de Riad por centenas de homens usando túnicas brancas, que apresentaram uma dança tradicional dos beduínos.

As apresentadoras na TV usavam véus com as cores da bandeira saudita e as chamadas na cobertura televisiva celebravam o retorno como um dia de "júbilo da nação". Abdullah desceu caminhando do avião, mas depois saiu numa cadeira de rodas.

(Reportagem de Ulf Laessing e Andrew Hammond)

Tudo o que sabemos sobre:
ARABIASAUDITAREICONCEDE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.