Reintegração de posse em terreno da Oi no Rio acaba em violência

A reintegração de posse em um terreno da operadora Oi no Rio de Janeiro ocupado há quase duas semanas resultou em confronto violento entre invasores e a polícia nesta sexta-feira, em que ônibus e viaturas policiais foram incendiados e houve pessoas feridas e detidas, informaram autoridades do Estado.

Reuters

11 Abril 2014 | 15h45

Cerca de cinco mil pessoas ocupavam o local desde 31 de março, na zona norte da capital fluminense, onde antigamente funcionava a empresa de telefonia Telerj, e começaram a construir barracos para morar. Os invasores alegam que recorreram ao local, onde havia um prédio abandonado, devido à falta de moradia na cidade.

De acordo com a Oi, o local estava murado e com segurança ativa. A reintegração de posse foi determinada pela Justiça, e homens do batalhão de choque da polícia do Rio de Janeiro chegaram ao local ainda na madrugada desta sexta.

Os invasores resistiram à presença policial com paus e pedras, e os policiais utilizaram bombas de gás, spray de pimenta e balas de borracha para entrar no local, de acordo com a polícia.

Os ocupantes do terreno atearam fogo a lixo e pedaços de madeira no interior do local. Do lado de fora, houve também ataques a ônibus, viaturas da polícia e outros veículos, incluindo carros de reportagem.

Ao menos sete veículos foram incendiados e muitos apedrejados na confusão, segundo a polícia. Pelo menos 16 pessoas ficaram feridas, entre policiais atacados por pedras e pessoas intoxicadas ou atingidas por balas de borracha.

Atos de vandalismo também se espalharam por ruas e avenidas próximas ao terreno. Lojas, agências bancárias e estabelecimentos comerciais foram depredados por vândalos. Cerca de 20 pessoas, incluindo menores de 18 anos, foram detidas pela polícia por atos de vandalismo, depredação e saques.

"Foi um desespero, parecia um arrastão. Destruição de graça, sem motivo, feita por uma gangue", disse um comerciante da região, sob condição de anonimato.

Durante a desocupação um boato de que crianças teriam morrido acirrou os ânimos dos ocupantes, mas a polícia garantiu que não houve mortes.

"Não houve morte, a PM entrou tranquilamente, mas houve um tumulto provocado por algumas pessoas que lá estavam", disse a jornalistas o porta-voz da Polícia Militar, tenente-coronel Cláudio Costa.

(Por Rodrigo Viga Gaier)

Mais conteúdo sobre:
GERAL RIO VIOLENCIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.