Relógio da Abadía é arrematado por R$ 41 mil em leilão

Leilão foi limitado a 425 pessoas, que tiveram de participar de uma preleção para comprovar poder de compra

Rodrigo Pereira, O Estado de S. Paulo

10 de abril de 2008 | 08h46

Ao contrário do tumultuado superbazar, o leilão promovido na quarta-feira, 9, para a venda de bens do megatraficante Juan Carlos Ramírez Abadía e de sua mulher, Yéssica Paola Rojas Morales, atraiu público menor que o esperado. Senhas e lugares sobraram no Jockey Club de São Paulo. O público, no entanto, formado principalmente por convidados, demonstrou poder de compra e indiferença ao fato de os artigos terem pertencido ao colombiano.   Até as 22h30, o item mais caro vendido no leilão foi um relógio Audemars Piguet, arrematado por R$ 41 mil, com valor de mercado de R$ 60 mil. Entre os produtos oferecidos no leilão, estavam cem relógios, três bicicletas de alta performance, dois jipes dos anos 1960 e 1970, 20 canetas de luxo e três televisores gigantes. Os arrematadores pagaram valores próximos aos lances mínimos, estipulados judicialmente em 30% do valor de mercado.   Os veículos, porém, foram vendidos por valores superiores ao lance mínimo. O jipe Willys Overland, ano 1979, foi arrematado por R$ 27.800 e a Ford Rural Willys, 1961, por R$ 37 mil. Como no bazar, o leilão foi limitado a 425 pessoas, com distribuição de senha. Antes do evento, foi feita uma preleção para averiguar quem tinha condição financeira para participar.   Parte do dinheiro arrecadado será repassado a entidades assistenciais cadastradas na 6ª Vara Criminal Federal de São Paulo, que condenou o traficante, e outra parte será depositada em conta da União até que não caiba recurso. Mais disputado que o leilão, o superbazar terminou ontem com faturamento estimado de R$ 200 mil. O advogado de Abadía, Luiz Gustavo Bataglin Maciel, disse que seu cliente reconheceu a origem ilícita de seus bens desde que foi preso e nunca se opôs perdê-los, mas estranhou a venda de pertences íntimos. "É incomum vender cuecas", afirmou Maciel.

Tudo o que sabemos sobre:
Abadíaleilão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.