John F. Kennedy Library and Museum Handout
John F. Kennedy Library and Museum Handout

Relógio e pintura de Jackie Kennedy podem arrecadar US$120 mil em leilão

Dois dos mais importantes artefatos históricos a aparecer recentemente dos anos dourados da Presidência de Kennedy, segundo a Christie's

Jill Serjeant, Reuters

12 de maio de 2017 | 10h10

O relógio de pulso Cartier de Jackie Kennedy e uma pintura que ela fez em 1963 vão ser colocados em leilão em Nova York no próximo mês e podem conseguir até 120 mil dólares, informou a Christie's nesta quinta-feira.

O relógio da Cartier, gravado na parte de trás, foi um presente para a então primeira-dama dos Estados Unidos de seu cunhado, o príncipe Stanislaw "Stas" Radziwill, e ela foi fotografada muitas vezes com acessório, segundo comunicado da Christie's.

O relógio será vendido no dia 21 de junho, junto com uma pintura simples feita por Jackie para marcar uma caminhada de 80 km em Palm Beach que Radziwill e outros amigos dos Kennedy fizeram para promover o modo de vida saudável.

Christie's descreveu o relógio, e a pintura que o acompanha, que era desconhecida do público, como "dois dos mais importantes artefatos históricos a aparecer recentemente dos anos dourados da Presidência de Kennedy".

"Junto com a pintura de Jackie, esses dois objetos capturam o espírito de outra era, um tempo em que a amizade e o otimismo da geração pareciam tornar qualquer coisa possível", disse John Reardon, chefe internacional da divisão de relógios da Christie's.

Christie's disse que o atual dono do relógio quer se manter anônimo, mas que vai doar uma parte do que for arrecadado no leilão para o Fundo Nacional para as Artes.

A maior parte dos pertences pessoais de Jacqueline Kennedy foram leiloados em 1996, após sua morte por câncer em 1994 aos 64 anos. O leilão de 1996 na Sotheby's em Nova York arrecadou aproximadamente 34 milhões de dólares, valor sete vezes maior ao esperado.





 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.