Remédio contra alcoolismo e tabagismo é testado em ratos

Cientistas acreditam que o álcool atua nos mesmos centros de prazer do cérebro que o álcool

Efe

10 Julho 2007 | 03h05

Um remédio para combater a dependência de álcool e fumo ao mesmo tempo vêm sendo testado em ratos por cientistas americanos, revelou um estudo divulgado na segunda-feira pela revista Proceedings of the National Academy of Sciences. O remédio se chama vareniclina. Estudos anteriores já demonstraram que ele provoca rejeição à nicotina nos fumantes. Testes preliminares em ratos teriam o mesmo resultado no que se refere ao álcool, segundo pesquisadores da Universidade da Califórnia. "O mais interessante deste remédio, que já demonstrou ser seguro para as pessoas que tentam deixar de fumar, é sua utilidade potencial na luta contra a dependência do álcool", disse Selena Bartlett, neurologista da Clínica Ernest Gallo e do Centro de Pesquisas da Universidade. A vareniclina, desenvolvida pela farmacêutica Pfizer, é administrada especificamente para quem quer deixar de fumar. Nos Estados Unidos, ela é vendida com o nome de Chantix. O estudo mostrou que a substância atua sobre os mesmos receptores do cérebro que reagem à nicotina. Ela produz uma liberação de dopamina nos centros de prazer, impedindo que a nicotina tenha algum efeito sobre eles. Os cientistas acreditam que o álcool atua nos mesmos centros de prazer do cérebro. Ao lado do Instituto Nacional sobre o Consumo de Álcool e o Alcoolismo, eles estão planejando os primeiros estudos para determinar o efeito da droga em seres humanos, disse Bartlett. Em sua pesquisa, os cientistas deram álcool a ratos e mediram o efeito da vareniclina, descobrindo que ele diminuía de maneira considerável a dependência. No entanto, os especialistas alertaram que, embora a análise apóie a hipótese de que existe uma base biológica comum para as duas dependências, é necessário aprofundar os estudos antes de anunciar uma cura milagrosa.

Mais conteúdo sobre:
alcoolismo tabagismo vareniclina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.