Remédio para paciente com aids está em falta

Documentação falha causa escassez do abacavir há 4 meses;[br]prazo para a resolução do problema foi adiado

Lígia Formenti, BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

07 Abril 2010 | 00h00

O abacavir, medicamento usado por cerca de 3,7 mil pacientes com aids, está em falta no Brasil. O problema teve início em dezembro, quando o Departamento de DST/Aids e Hepatites Virais informou ter havido dificuldade na aquisição do remédio. Naquela época, o programa aconselhou que médicos substituíssem temporariamente a indicação do remédio até que a situação se normalizasse - o que estava previsto para fevereiro.

"Nem todos os médicos e pacientes aceitaram fazer a substituição, por considerá-la inadequada. O problema também não foi resolvido no prazo previsto e agora a situação é esta: em todo o País encontramos casos de pacientes sem remédio", afirmou o presidente do Forum de ONG/Aids do Estado de São Paulo, Rodrigo Pinheiro.

O fórum recomendou aos pacientes que procurassem a Justiça. Anteontem, a organização divulgou comunicado com críticas à condução do problema. "É inadmissível que um programa até então exemplar no tratamento da aids, que investe cada vez mais recursos na produção nacional, a exemplo do que é destinado a Farmanguinhos para a fabricação de antirretrovirais, nos faça viver com o fantasma do racionamento e do desabastecimento", diz a nota.

A diretora do Departamento de DST/Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde, Mariangela Simão, admitiu que a falta do medicamento s é lamentável. Ela informou que o desabastecimento é fruto de um problema na apresentação de documentos pela empresa fornecedora do genérico, a indiana Aurobindo. A empresa já havia fornecido o medicamento, mas, dessa vez, documentos exigidos pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária não foram apresentados no tempo correto. A expectativa, disse a diretora, é de que o remédio chegue ao País até dia 20 de abril.

"O acesso universal à terapia antirretroviral é a espinha dorsal do programa de aids. Entendemos o acesso como um direito humano e cabe ao governo fornecer os medicamentos na sua plenitude", afirmou. Mas ela acrescentou que a compra de medicamentos às vezes apresenta variáveis que nem sempre é possível se controlar. "Não quero com isso reduzir o problema. Mas posso garantir que a logística é bastante detalhada e que fazemos todos os esforços necessários para evitar desabastecimento."

Mudança arriscada

Nair Brito, uma das pacientes que sofrem com a falta do abacavir, não quer mudar o tratamento porque ele está funcionando. Nair teme que a troca desperdice a última alternativa de terapia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.