Renault vê Brasil como segundo maior mercado até 2013

A Renault prevê que o Brasil seja seu segundo maior mercado até 2013, superando a Alemanha e em linha com a tendência já identificada por outras montadoras.

HELEN MASSY-BERESFORD E GILLES GUILLAUME, REUTERS

10 de fevereiro de 2011 | 08h44

Segundo o plano estratégico da empresa até 2013, divulgado nesta quinta-feira, a Rússia será o quarto maior mercado da Renault e a Índia subirá 20 posições, assumindo a 11a em dois anos.

A montadora de origem francesa informou que não planeja entrar no mercado chinês, o maior do mundo, nos próximos dois anos.

O plano da Renault foi anunciado um dia depois que a rival francesa PSA Peugeot Citroen divulgou que vai focar na Índia como forma de reduzir sua dependência dos estagnados mercados de veículos da Europa.

A Renault teve lucro líquido de 3,42 bilhões de euros em 2010, revertendo prejuízo em 2009 de 3,13 bilhões. A empresa inverteu os resultados após a venda de ações na Volvo, que rendeu ganho de 2 bilhões de euros.

A montadora divulgou que espera vendas em volume e receita maiores em 2011 em relação a 2010 e que tem como meta obter um fluxo operacional de caixa livre de 500 milhões de euros.

"Temos um plano que considero mais robusto hoje, com estimativas em alguns casos que são até conservadoras, para assegurar que a Renault tenha todas as chances de ser bem sucedida", disse o presidente-executivo da montadora, Carlos Ghosn.

O plano prevê um aumento no número de modelos oferecidos pelas marcas do grupo, incluindo a sul-coreana Renault Samsung e a romena Dacia. A estratégia estabelece que 80 por cento dos novos modelos entre 2014 e 2016 sejam baseados em uma plataforma compartilhada com um parceiro, em uma estratégia do grupo para aumentar sinergias com a Nissan e a Daimler.

Ghosn afirmou que a Renault quer que as três parceiras gerem sinergias combinadas de pelo menos 1 bilhão de euros por ano durante o plano.

Em 2010, Renault, Nissan e Daimler concordaram em trocar pequenas participações e trabalharem juntas no desenvolvimento de veículos.

Tudo o que sabemos sobre:
AUTOSRENAULTBRASIL*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.