Repasse à Opas pela contratação de cubanos sobe 90%

De acordo com o Ministério da Saúde, o aumento nos valores é resultado do número de profissionais recrutados para o programa: 11.400 médicos

Lígia Formenti , Agência Estado

05 Março 2014 | 14h18

O Brasil vai repassar à Organização Pan-Americana de Saúde (Opas) R$ 973,9 milhões para a contratação de cubanos para o programa Mais Médicos, quantia 90% maior do que o primeiro termo de ajuste - R$ 511 milhões. O extrato do termo foi publicado hoje no Diário Oficial da União. De acordo com o Ministério da Saúde, a fórmula do cálculo seguiu o mesmo padrão do contrato anterior. O aumento nos valores, informou a pasta, é resultado do número de profissionais recrutados para o programa: 11.400 médicos. O contrato terá validade de seis meses.

No primeiro convênio, o valor previa a contratação de 4 mil médicos. Dos R$ 511 milhões, R$ 487 milhões para as despesas de contratação e R$ 24,3 milhões pagos à Opas como comissão. Do valor total do aditivo publicado hoje, de acordo com o ministério, 86% serão destinados para os gastos diretos com o profissional, como o pagamento da bolsa formação e da ajuda de custo de instalação.

O governo informou ainda que vai superar a meta de chegar até abril com 13 mil profissionais no Mais Médicos. A expectativa é de que, até lá, 14,9 mil médicos estejam atuando.

A partir desta quarta-feira, 5, chegam ao País mais 4 mil cubanos recrutados para o 4º ciclo do Mais Médicos, que agora se encerra. Assim como em outras etapas, o número de cubanos é significativamente maior do que o de demais estrangeiros e médicos formados no Brasil. Além dos cubanos, o 4º ciclo conta com 1.479 profissionais - dos quais 1.078 brasileiros que optaram por migrar do Programa de Valorização da Atenção Básica (Provab) e 401 selecionados em seleções individuais - desse total, 197 com diplomas obtidos no Brasil.

Atualmente o programa conta com 9.425 médicos, 75% cubanos. Os profissionais recrutados pela Opas desembarcam em seis cidades brasileiras, onde vão permanecer por três semanas para fazer o curso de aperfeiçoamento.

Mais conteúdo sobre:
Mais MédicosOpas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.