REPERCUSSÃO-Saída de Palocci estanca a crise--parlamentares

Antonio Palocci pediu demissão do cargo de ministro-chefe da Casa Civil nesta terça-feira, após enfrentar uma crise pelo aumento de seu patrimônio e suspeitas sobre as operações da sua empresa, a consultoria Projeto.

REUTERS

07 Junho 2011 | 22h11

Veja a seguir comentários de políticos sobre a saída de Palocci do governo.

ACM NETO (DEM-BA), LÍDER DO PARTIDO NA CÂMARA

"Acho que o momento da crise se encerra quando o ministro pede demissão da Casa Civil, porém ele continuará a ter que dar as explicações, na minha opinião, tanto ao parlamento quanto ao Ministério Público."

MARCO MAIA (PT-RS), PRESIDENTE DA CÂMARA DOS DEPUTADOS

"Primeiro, eu acho que todos nós temos que lamentar essa situação. O ministro Palocci era um ministro importante do governo, ajudou e contribuiu enormemente para a vitória da presidente Dilma Rousseff e vinha mantendo uma interlocução, na minha opinião, positiva com o Congresso."

AÉCIO NEVES (PSDB-MG), SENADOR

"Ele tomou a decisão sensata, avaliou o quadro e viu que a partir daqui ele ia prejudicar demais o governo... Eu pessoalmente acho que, do ponto de vista jurídico, as investigações vão continuar. Do ponto de vista político, tenho dúvida se vale a pena continuar o embate."

DUARTE NOGUEIRA (PSDB-SP), LÍDER DO PARTIDO NA CÂMARA

"Mesmo com arquivamento (do pedido de investigação de Palocci) por parte da Procuradoria-Geral da República (PGR), não restou alternativa, na nossa avaliação, senão deixar o cargo, para que isso possa estancar a crise... Agora é buscar trazer uma rearticulação no governo para que as coisas possam voltar à normalidade."

WALTER PINHEIRO, SENADOR (PT-BA)

"A saída tira a crise do governo. O fato era responsabilidade do Palocci, a crise era dele."

DEMÓSTENES TORRES (DEM-GO), LÍDER DO PARTIDO NO SENADO

"Ele ficou o tempo necessário para conseguir uma blindagem mínima, mas não teve apoio da base nem do governo, nem da imprensa. Ele caiu pelos seus próprios erros."

(Por Maria Carolina Marcello e Jeferson Ribeiro)

Mais conteúdo sobre:
POLITICAREPERCUTECONGRESSO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.