Repórter acusa PM de agressão em reintegração no Rio

O repórter Bruno Amorim, do jornal O Globo, foi detido por policiais militares enquanto cobria a desocupação do prédio da companhia telefônica Oi, na Rua Dois de Maio, no bairro do Engenho Novo, zona norte do Rio de Janeiro, na manhã desta sexta-feira, 11.

MARCELO GOMES, Agência Estado

11 Abril 2014 | 09h46

"Era cerca de 8h30 e eu estava no meio da confusão quando vi um policial e um manifestante de camisa vermelha trocando socos. Puxei o celular da empresa para tirar fotos. Foi quando um outro policial me deteve, alegando que eu estava ''tacando'' pedras. Me deu uma chave de braço e me feriu. Jogou meu celular no chão. Como eu poderia jogar pedra se numa mão eu segurava o celular e na outra o bloco de anotações? Eu estava apenas cumprindo meu dever de reportar o que estava acontecendo. Fui detido de forma arbitrária", disse o jornalista, que trazia crachá da empresa jornalística.

Nenhum policial militar que está no local falou sobre a detenção de Amorim. Até às 9h15, o repórter era mantido sentado no chão por PMs, que dizem que ele será encaminhado a uma delegacia policial. Outros jornalistas que cobrem a desocupação comunicaram o caso à redação do jornal O Globo.

Mais conteúdo sobre:
reintegração Oi Rio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.