Repórter da BBC que investigava venda ilegal de cigarros é agredida

Com câmera escondida, Samantha Poling registrou comércio ilegal de tabaco e cigarros.

BBC Brasil, BBC

19 de janeiro de 2011 | 15h24

Uma repórter da BBC foi agredida quando investigava a venda ilegal de tabaco e cigarros na Escócia.

Samantha Poling iniciou a reportagem sabendo que nos últimos anos este comércio, antes feito apenas em pequena escala, agora é financiado por uma rede internacional de criminosos. E a repórter também sabia que a maior parte destas mercadorias vinha da China.

O setor agora movimenta bilhões de libras e alcança uma escala global. A Grã-Bretanha é o segundo mercado do mundo em termos de preços de cigarro e tabaco, sendo que 80% do preço é imposto.

Apesar da presença do segurança, repórter foi agredida

Mas, os que vendem os produtos de forma ilegal não pagam imposto e por isso, vendem pela metade do preço e com lucro. Com a fraude, o governo tem deixado de arrecadar bilhões em impostos não pagos. Além disso, os níveis de toxinas nestes produtos são bem mais altos.

Com uma câmera escondida, Poling comprou tabaco ilegalmente de uma mulher em um mercado de rua na cidade de Glasgow.

Quando foi devolver o produto, a mulher já não estava mais no mercado. A repórter foi acompanhada da equipe de gravação e dois seguranças.

Lá ela foi recebida por um parceiro da mulher. Ao pedir o dinheiro de volta, a repórter começou a ser ameaçada por um outro homem, que tinha seguido a equipe. O homem partiu para cima de Poling e chegou a ferir sua mão.

Este homem então empurra os seguranças e depois parte para cima de todos com bastão de ferro, gritando ameaças.

A jornalista da BBC deixou os produtos ilegais na barraca, mas não recebeu seu dinheiro de volta.brigaBBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
grã-bretanhacigarrostabacofumo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.