Repórter do CQC diz ter sido agredido por guarda

O repórter e humorista Danilo Gentili, de 30 anos, que trabalha no programa CQC, da TV Bandeirantes, afirmou que foi agredido por guardas civis municipais, na tarde de ontem, quando deixava um espaço público, em São Bernardo do Campo, no ABC, após realizar reportagem sobre o risco de desabamento de uma escola construída ao lado de um barranco.

RICARDO VALOTA, Agência Estado

23 de junho de 2010 | 04h52

Gentili e sua equipe já haviam feito a reportagem para o quadro "Proteste Já" quando foram abordados por cinco guardas municipais. Segundo Danilo, os guardas o agrediram com empurrões e socos, um deles no rosto. "Uma agressão gratuita e covarde", disse. Ele também afirma que os guardas quiseram algemá-lo e chegaram a dar voz de prisão à equipe, alegando desacato.

Os pais de alunos que assistiram à cena acionaram a Polícia Militar, que acalmou a situação e levou a equipe para o 3º Distrito Policial da cidade, onde foi registrado um boletim de ocorrência. No Twitter, Danilo ainda deixou uma mensagem: "12 viaturas pra me prender! Parabéns a toda guarda civil de SBC pela competência!"

A Secretaria de Comunicação da Prefeitura de São Bernardo do Campo afirmou que o repórter teria desacatado a dois oficiais da corporação com palavras de baixo calão no Centro de Formação dos Profissionais da Educação; e nega que os guardas tenha agredido Danilo.

Tudo o que sabemos sobre:
Agressãorepórter

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.