Retirada de questões sobre direitos humanos é criticada

Em sua primeira visita oficial ao Brasil, a subsecretária-geral das Nações Unidas para Assuntos Humanitários, Valerie Amos, criticou a recente retirada das questões envolvendo direitos humanos, como o apoio aos refugiados e o direito dos povos indígenas à terra, do documento oficial da Rio+20. "Numa plataforma global como a Rio+20, você verá muitas diferenças de opinião emergindo, mas na nossa perspectiva, o desenvolvimento sustentável engloba uma série de temas, dentre eles os direitos humanos", afirmou.

HELOISA ARUTH STURM, Agência Estado

03 Abril 2012 | 19h07

Ela ressaltou, no entanto, que os governos terão espaço para negociações bilaterais relacionadas ao tema durante a conferência marcada para junho deste ano. "Deve-se levar em consideração o grau de importância que um país atribui a um ou outro tema, já que nem todos compartilham da mesma perspectiva quanto aos assuntos considerados mais importantes para discussão", disse Valerie.

"O Brasil é reconhecido por sua atuação em defesa dos direitos civis e na resposta a desastres, e estou particularmente interessada em como ele pode compartilhar sua vasta experiência no assunto com os demais países da região e em outras partes do mundo", afirmou Valerie. O representante do Escritório das Nações Unidas de Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA) para América Latina e Caribe, Gerard Gomez, que a acompanha em sua visita ao País, destacou a iniciativa brasileira no gerenciamento de informações durante emergências, com o desenvolvimento de um website que permite aos países trocarem informações sobre as necessidades que possuem e o que podem doar em casos de grandes catástrofes.

Mais conteúdo sobre:
ambienteRio+20ONU

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.