Retrato de uma paixão e da ideologia no século 20

Foi a ideia de um mundo mais justo que uniu, nos anos 60, durante uma viagem a Moscou, os jovens Julio e Sarangerel. Ele, vindo de Angola, ansiava por levar de volta à sua terra os preceitos socialistas; ela partira da Mongólia - e para lá deveria voltar, carregando na bagagem as lições aprendidas com os soviéticos. Em O Planalto e a Estepe, o angolano Pepetela fala da tentativa de união dos povos e da busca do homem pelo amor. Mais: recupera uma época em que a maior parte das decisões eram tomadas na esfera política - até mesmo a paixão. Em um mundo dividido, Julio e Sarangerel não concretizam seu amor. É preciso que 35 anos se passem para que eles se reencontrem. Em um novo mundo. Com uma nova paixão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.