Retrospectiva da Década

Onze de Setembro é o ícone dos dez primeiros anos do século 21. O devastador ataque terrorista contra os Estados Unidos - em 2001, jatos comerciais sequestrados por terroristas suicidas foram jogados contra as torres gêmeas do World Trade Center, em Nova York, e o Pentágono, nos arredores de Washington - colocou em xeque o poderio militar e econômico da superpotência e teve consequências globais, como a Guerra do Iraque, eleito o conflito mais importante da década.

, O Estadao de S.Paulo

30 Dezembro 2009 | 00h00

Veja também:

Veja a Retrospectiva da Década completa no site

"Não estamos falando apenas do evento da década, mas também do acontecimento que encerrou o século 20", escreveu o leitor Christian Maillefaud. Apesar do apelido, Joao DoContra, em seus argumentos na categoria líder político, concordou: "Se o século 20 começou em 1914, com a Primeira Guerra Mundial, terminou em 2001: mudaram os inimigos, mudou o modo de guerrear."

O atentado, realizado pela rede Al Qaeda, também permeou as discussões na categoria conflito: "A Guerra do Iraque e do Afeganistão não ocorreriam sem a semente que foram os ataques de 11 de Setembro, ou pelo menos não dariam apoio público suficiente para os norte-americanos se engajarem nesses ataques", comentou Fey.

Outro forte candidato a ícone da década foi o Google, vencedor nas categorias site, empresa e ferramenta. "A primeira década foi do Google. Passou de empresa de fundo de quintal a gigante na internet'', disse CapEnt. De fato, o Google mudou a forma como as pessoas navegam pela internet, criou uma série de serviços inovadores e ameaçou empresas tradicionais da área de tecnologia, como a Microsoft. Para Lucas Akira, o site "se tornou o São Longuinho de qualquer veículo digital e fez uma revolução cultural". Na mesma linha, Elaine Pepe propõe dividir a internet em a.G. e d.G: antes e depois do Google. Além disso, os "GoogleStuffs" - como o leitor Peter chamou as ferramentas Gmail, GoogleMaps, GoogleDocs e GoogleEarth - "são top, revolucionários".

Numa votação feita por brasileiros, não poderiam faltar conterrâneos no pódio. Justa ou injustamente, brasileiros venceram em 15 categorias: a liderança de Lula, as rimas dos Racionais MCs, a música e a voz de Ivete Sangalo, o golaço de Nilmar, o charme de Claudia Leitte, o blog de Rosana Hermann, a vergonha do Mensalão do PT, a gafe de Marta Suplicy, a velocidade de César Cielo, a atuação de Wagner Moura, o mashup milionário da Pepsi, a batalha de Dorothy Stang, o verde e amarelo do Brasil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.