Réveillon na Paulista atrai dois milhões de pessoas

Um público recorde, estimado em mais de dois milhões de pessoas, aproveitou a virada do ano na Avenida Paulista com tranquilidade e sem chuva. A festa, que teve shows e fogos de artifício, começou por volta das 19h50 da terça-feira, 31, e foi até a 1h. Segundo a Secretaria de Segurança Pública, cinco pessoas foram detidas em cinco ocorrências policiais: três por furto e duas por tráfico de entorpecentes. Os casos foram encaminhados ao 78° DP (Jardins).

LAURA MAIA DE CASTRO, Agência Estado

01 de janeiro de 2014 | 16h25

A segurança do evento contou com 1.500 policiais militares e os boatos de que haveria protestos não se concretizaram. "Durante o transcorrer do evento, houve publicações e convocações de manifestações nas redes sociais, mas a polícia deslocou PMs para esses prováveis locais de encontro. Não tivemos registro nem de aglomeração", disse o tenente coronel Fernando Bartasevicius, chefe da operação da virada do ano. Ainda segundo Bartasevicius, seis mascarados, supostos integrantes do grupo black bloc, foram vistos pela polícia na Paulista e imediatamente abordados e identificados.

Em cada canto da avenida, diferentes sotaques do Brasil e línguas de todo o mundo eram escutados. Na esquina da Paulista com a Rua Peixoto Gomide, um grupo de dez sírios, no qual havia mulheres usando lenços, observavam todo o movimento da festa atentamente enquanto eram abordados por muitos brasileiros curiosos. "A festa está demais. O meu desejo para 2014 é que a guerra civil na Síria termine. Eu cheguei ao Brasil há três dias, mas os meus pais ficaram lá", disse em inglês Mustafa Kutrieh, de 20 anos.

Enquanto o grupo optou por ficar longe do palco, mas perto de telões, houve quem tivesse saído cedo de casa para garantir a proximidade à grade de segurança. "Vim de Poá às 16h e deixei meus dois filhos com a minha mãe só para ver os fogos", disse a operadora de caixa Natalia Pereira, de 27 anos.

Atrações

No palco de mil metros quadrados, passaram artistas para todos os gostos como Paulo Ricardo, Supla, Toquinho, NxZero, Sampa Crew, Fernando e Sorocaba, entre outros. Foram mais de dez artistas e bandas que animaram a multidão na Paulista. À 0h, após a contagem regressiva, os fogos coloriram o céu da avenida durante 15 minutos.

"Nos surpreendeu, à meia noite, um público que veio para assistir a queima de fogos na parte que não havia estrutura, até a Rua da Consolação", disse Marcelo Flores, diretor da Playcorp, responsável pela organização do réveillon. Segundo Flores, a estimativa de mais de dois milhões de pessoas tem como base o fluxo contínuo durante as 7 horas de programação.

Ibirapuera

Pela primeira vez, o Parque do Ibirapuera, na zona sul de São Paulo, recebeu uma festa de réveillon e quem optou por inovar na virada do ano na capital curtiu um clima ?bem família?. Havia muitas crianças e idosos no parque e não era raro ver uma roda de amigos (até com cachorros) sentados na grama conversando enquanto aproveitavam a música do palco.

Além de quem optou por comemorar a virada ali, no meio da natureza, alguns paulistanos e turistas escolheram passar no parque antes de ir para a tradicional festa na Avenida Paulista. Uma das principais atrações foi a iluminação e o show multimídia na fonte.

Neste primeiro ano, a programação no Ibirapuera teve DJ Neggo Billy, o cantor Claudio Zoli, e a atração principal, Demônios da Garoa. O evento teve duração de cerca de cinco horas.

Mais conteúdo sobre:
revéillonpaulista

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.