Tannen Maury/Efe
Tannen Maury/Efe

Revigorado, Obama tenta superar desafios persistentes

Democrata venceu o rival republicano Mitt Romney e superou as dúvidas profundas sobre a gestão da economia dos EUA

Reuters

07 de novembro de 2012 | 10h30

WASHINGTON - Revigorado pela vitória na eleição, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, prometeu trabalhar para todos em um país rachado politicamente e buscar acordos para superar desafios persistentes que prejudicaram seu primeiro mandato. Obama obteve uma clara vitória sobre o rival republicano Mitt Romney, superando as dúvidas profundas sobre a gestão da economia dos EUA.

Os norte-americanos escolheram permanecer com um governo dividido em Washington, mantendo o democrata na Casa Branca e deixando o Congresso como estava, com os democratas controlando o Senado e os republicanos, a Câmara dos Deputados.

Após uma campanha desgastante, agressiva e cara, Obama, de 51 anos, adotou um tom conciliador em seu discurso da vitória na madrugada desta quarta-feira, 7, diante de milhares de apoiadores em Chicago. "Vocês votaram por ação, não por política", disse Obama, que prometeu trabalhar com líderes dos dois partidos para reduzir o déficit, pela reforma do código tributário e da legislação de imigração, e para reduzir a dependência da importação de petróleo.

Obama, que se tornou o primeiro presidente negro dos Estados Unidos quando eleito pela primeira vez em 2008, disse à multidão que deseja reunir-se com Romney nas próximas semanas e estudar formas de superar os desafios do país. Os problemas que afetaram Obama no primeiro mandato, pondo em cheque as promessas de campanha em 2008 de mudança e esperança, ainda persistem. Ele precisa lidar com um déficit anual de US$ 1 trilhão, reduzir a dívida nacional de US$ 16 trilhões, revisar gastos significativos em programas sociais e lidar com um Congresso dividido.

A primeira questão a resolver com o Congresso será o chamado "abismo fiscal", uma série de aumentos de impostos e cortes de gastos que devem tirar cerca de US$ 600 bilhões da economia se não houver acordo com o Congresso. Romney, um multimilionário ex-executivo de empresas de investimento, superou uma série de tropeços ao longo da campanha ao derrotar o presidente no primeiro dos três debates presidenciais.

A votação popular permaneceu extremamente apertada, com Obama recebendo 50% dos votos contra 49% de Romney, nacionalmente, após uma campanha em que os candidatos e seus aliados gastaram juntos US$ 2 bilhões. Mas no sistema de Colégio Eleitoral em que a escolha presidencial é feita Estado a Estado, Obama conseguiu uma vitória confortável.

Nesta quarta de manhã, Obama tinha 303 votos no Colégio Eleitoral, bem acima dos 270 necessários para vencer, ante 206 de Romney. A disputa na Flórida permanece tão acirrada que ainda não é possível conhecer o vencedor no Estado e que ganhará mais 29 votos no Colégio Eleitoral.

Romney, ex-governador de Massachusetts, de 65 anos, reconheceu a derrota em um discurso polido a seus frustrados eleitores em um centro de convenção no centro de Boston. "Este é um momento de grandes desafios para a América, e eu rezo para que o presidente tenha sucesso ao guiar nossa nação", disse Romney após telefonar para Obama para parabenizá-lo pela vitória.

Congresso dividido

Ao manter o controle do Senado, que tem 100 cadeiras, os democratas tomaram vagas que eram dos republicanos nos Estados de Massachusetts e Indiana, além de terem mantido as que já tinham, incluindo na Virgínia e no Missouri.

A maioria republicana entre os 435 membros da Câmara dos Deputados significa que o Congresso ainda está partido, diante de questões como o abismo fiscal e outras fundamentais para a economia norte-americana.

"Isso significa a mesma dinâmica. Significa as mesmas pessoas que não conseguiram fechar acordos nos últimos três anos", disse Ethan Siegel, analista político em Washington. Os índices futuros das bolsas dos EUA caíram, o dólar recuou e os títulos do Tesouro subiram após a vitória de Obama, com os investidores cientes de que não haverá mudanças dramáticas nas políticas econômicas dos EUA.

Líderes mundiais parabenizaram o presidente pela reeleição, incluindo o primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu, que teve algumas divergências com Obama ao longo do primeiro mandato. O premiê britânico, David Cameron, disse que os EUA e a Grã-Bretanham têm que trabalhar juntos para encontrar uma solução para a crise na Síria.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.