Rio: Alemão ganha 2 Unidades de Polícia Pacificadora

Outras seis unidades devem ser instaladas nos Complexos do Alemão e da Penha, com um total de 2 mil policiais

Antonio Pita , O Estado de S. Paulo

18 Abril 2012 | 19h02

RIO DE JANEIRO - Após 17 meses de ocupação por tropas do Exército, o Complexo do Alemão, na zona norte do Rio, recebeu, na manhã desta quarta-feira, 18, as duas primeiras Unidades de Polícia Pacificadora (UPP). Elas foram instaladas em contêineres improvisados nas comunidades de Nova Brasília e Fazendinha e cobrem uma área com 40 mil moradores. Ao todo, 660 policiais recém-formados passam a atuar nas favelas.

Os 1,7 mil soldados da Força de Pacificação vão continuar no complexo, mas serão redistribuídos para outras favelas. Eles só devem sair depois da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio + 20), em junho.

"Quando entramos aqui, tínhamos a sensação de Sarajevo (capital da Bósnia-Herzegovina tomada por conflito armado no começo da década de 1990)", disse o governador Sérgio Cabral (PMDB). "As UPPs não convertem as comunidades em paraíso de uma hora para outra, mas mudam a vida dessas pessoas."

Com as inaugurações, o Rio passa a ter 21 UPPs. Outras seis unidades devem ser instaladas nos Complexos do Alemão e da Penha, com um total de 2 mil policiais. Tropas do Batalhão de Choque e do Batalhão de Operações Especiais (Bope) ajudarão no patrulhamento durante a transição.

A mudança do policiamento criou expectativa e desconfiança entre os moradores. Márcia Ferreira, de 41 anos, vive com os seis filhos na rua do posto provisório da UPP de Fazendinha. "Os moradores têm medo de que tudo seja só uma promessa, fogo de palha, e que a polícia saia depois."

 

Denúncias. Para o general Adriano Pereira Júnior, do Comando Militar do Leste, o Exército deixa como legado uma região menos violenta. Ao longo da ocupação, as tropas confrontaram traficantes e enfrentaram resistência dos moradores. Eles acusaram os soldados de abusos, furtos e até tortura.

O caso mais grave é a morte de Abraão da Silva Maximiliano, de 15 anos. Em dezembro, ele foi atingido por um tiro de um soldado. O Exército afirmou que ele tinha envolvimento com o tráfico, o que foi negado pela família.

As denúncias são investigadas pela Polícia Civil. Para Cabral, são "casos isolados". "De maneira alguma eles mancham a honra e o trabalho que o Exército fez nessa comunidade."

Mais conteúdo sobre:
violênciaRioUPPconsolida

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.