Fabio Motta/AE
Fabio Motta/AE

Rio celebra união de 43 casais homossexuais

Cerimônia foi conduzida pelo desembargador Siro Darlan no prédio da Central do Brasil e integra programa Rio sem Homofobia

Bruno Boghossian, O Estado de S.Paulo

23 de junho de 2011 | 00h00

O Rio celebrou ontem a união estável de 43 casais homossexuais no 6.º Ofício de Notas, no prédio da Central do Brasil, como parte do programa Rio sem Homofobia. Os padrinhos da cerimônia foram o secretário estadual do Ambiente, Carlos Minc, e a secretária estadual de Assistência Social e Direitos Humanos, Maria Célia Vasconcelos.

Entre os casais estava o formado pelo jornalista Liorcino Mendes, de 47 anos, e o estudante Odílio Torres, de 21. Os dois haviam tido o registro da união cancelado no dia 10 pelo juiz Jerônymo Pedro Villas Boas, da 1.ª Vara da Fazenda Pública de Goiânia. A decisão do magistrado foi anulada anteontem, e o registro revalidado - mas os dois decidiram realizar novamente a união.

"Já estávamos no Rio quando a decisão do juiz foi derrubada e havíamos gastado dinheiro com passagens e hospedagens, então decidimos ficar", contou Liorcino. "Com um segundo registro, temos uma segurança maior para a união e damos uma resposta política contra esse absurdo", continuou.

Os dois afirmaram que esperam que Villas Boas seja punido por ter contrariado uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF). Em maio, o STF reconheceu por unanimidade a união estável homoafetiva.

Acolhimento. A cerimônia coletiva de união foi conduzida pelo desembargador Siro Darlan, que defendeu o registro da união entre pessoas do mesmo sexo. "O papel do Estado e do Direito é acolher, não rejeitar. Já é passado o tempo em que as pessoas se incomodavam com a preferência sexual alheia", afirmou o desembargador.

Com vestidos brancos, a coordenadora de marketing Elizabeth Cunha, de 29 anos, e a supervisora de vendas Flávia Nogueira, de 27, celebraram pela segunda vez a união que começou há seis anos. As duas haviam participado de uma cerimônia em um templo de umbanda em 2009, mas só tiveram o registro oficializado ontem. "Este é um passo muito importante para garantir nossos direitos. Nossas famílias aceitam isso bem, mas o reconhecimento legal pelo governo pode facilitar muitas questões, como a adoção", disse Elizabeth.

Reações. Durante a chegada dos casais ao prédio da Central do Brasil, por volta das 16 horas, muitos curiosos se concentraram em frente ao local.

A operadora de telemarketing Luana Helena, de 25 anos, que é evangélica, mostrou-se surpresa com a cerimônia. "Mas é legalizado mesmo?", perguntou às amigas. "Na verdade, eu não concordo com isso. Acho absurdo, porque no futuro vão autorizar a adoção de filhos por esses casais, o que pode mudar a realidade das crianças. É inaceitável", reagiu a jovem.

O professor Luiz Antônio da Silva, de 40 anos, que também é evangélico, concordou com a celebração. "Cada um pode fazer o que quiser, então não pode existir esse preconceito. Sou evangélico, mas meu pastor nunca falou nada contra isso."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.