Rio ganha spa com salas para soneca no meio do dia

Ambiente é climatizado, tem música relaxante, luz tranquilizante e poltrona reclinável; 20 minutos de sono custam R$ 18

Clarissa Thomé / RIO, O Estado de S.Paulo

14 de setembro de 2010 | 00h00

 

 

O cochilo depois do almoço pode também ser um privilégio ao alcance de quem trabalha nos grandes centros. Na movimentada esquina da Rua Sete de Setembro com Avenida Rio Branco, no Rio, funciona um spa com salas destinadas exclusivamente às sonecas.

Os ambientes são climatizados, têm músicas relaxantes, luzes tranquilizantes e uma poltrona reclinável, com tecnologia importada da Nasa. Vinte minutos de sono sai por R$ 18. O tempo máximo - 40 minutos - custa R$ 28. "Estudos apontam que o descanso no meio do dia aumenta a produtividade, deixa a pessoa mais focada, mais desperta e melhora o humor e a sociabilidade. É como fazer um reset na memória recente", diz Mahine Dórea, proprietária do Pausadamente.

Ela já conhecia espaços semelhantes, que visitou em viagens ao exterior. Quando surgiu a oportunidade de abrir o próprio "centro de descanso", trocou a correria da rotina como advogada para cuidar do cochilo alheio. "As pessoas que vêm aqui querem descansar um pouco depois de uma noite mal dormida por causa do filho doente, porque trabalharam demais ou porque esticaram a noitada. Mas também há os cliente habituais, que compram pacotes e fazem da sesta mais um hábito saudável."

A psicóloga Elane Rodrigues, de 46 anos, quer adquirir um pacote - seis sessões de 30 minutos custam R$ 122. "Não cheguei a dormir, mas fiquei num estado de relaxamento profundo, sob luzes coloridas. Para quem tem uma rotina estressante, momentos como esse são fundamentais para recuperar as forças."

Nem todo mundo conta no trabalho que vai tirar uma soneca. Mas o especialista em medicina do sono Gleison Guimarães, coordenador do Laboratório do Sono do Hospital Universitário da Universidade Federal do Rio de Janeiro, confirma que há benefícios. "O cochilo à tarde tem grande relação com ganho de memória, atenção e produtividade no trabalho, tanto que é um hábito em algumas populações."

Há restrição para o insone, que tem dificuldade para iniciar o sono. "Essas pessoas devem evitar o sono durante o dia para não aumentar ainda mais a latência no sono noturno", ressaltou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.