Rio Madeira volta a subir e registra 19,18 metros

Na manhã desta terça-feira, 18, o Rio Madeira em Porto Velho, voltou a subir registrando 19,18 metros. Esse número é considerado histórico, pois supera a marca de 17,52 metros registrados no ano de 1997. De acordo com a Marinha do Brasil o rio vem mantendo uma média de aumento do seu nível em dois centímetros por dia.

QUETILA RUIZ, ESPECIAL PARA O ESTADO, Agência Estado

18 Março 2014 | 14h17

Com base nas previsões meteorológicas a Defesa Civil não descarta a possibilidade das águas subirem até 19,69 metros. Mais de 13 mil pessoas já foram atingidas - cerca de 3.800 famílias em Porto Velho, nos 11 distritos da capital de Rondônia e nas três cidades que enfrentam emergência (Guajará-Mirim, Santa Luzia e Rolim de Moura). Na capital o perigo maior continuam sendo as doenças provenientes das águas que invadiram esgotos e trouxeram para áreas urbanas uma grande quantidade de ratos e outros animais portadores de doenças infectocontagiosas.

Abrigo.

Atualmente, as famílias desabrigadas pela cheia estão alojadas em escolas públicas e igrejas na capital, outras estão vivendo em casa de parentes. Para melhorar o serviço assistencial às famílias, o Corpo de Bombeiros e a Defesa Civil estão concluindo obras de estruturação do Parque de Exposição dos Tranques em Porto Velho para receber os desabrigados. Os serviços básicos como limpeza de fossas, sistema elétrico e abastecimento de água no local aos desabrigados iniciaram na semana passada. Ainda não se sabe a quantidade exata de famílias que serão transferidas para o local. Para o coronel Farias, oficial de comunicação do Corpo de Bombeiros, a concentração dos atingidos em uma única área irá facilitar o serviço de assistência social realizado pelos diversos órgãos empenhados no apoio aos desabrigados. A ação também tem como objetivo a retirada das famílias que estão abrigadas nas escolas, visando minimizar os prejuízos causados ao ano letivo.

Mais conteúdo sobre:
enchentesRio Madeira

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.