Rio se prepara para carnaval deste ano

Faltando um mês para o carnaval do Rio, os foliões cariocas já definiram a cara da festa. Com mais de 25 mil máscaras já vendidas e estoques vazios nas principais lojas, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, será a personalidade mais homenageada nas ruas da cidade. A procura é dez vezes maior do que a segunda máscara mais vendida pelo mesmo fabricante. Diante da demanda, a fábrica já reforçou a produção do adereço e ainda há risco de os foliões não encontrarem a máscara.

ANTONIO PITA, Agência Estado

09 de janeiro de 2013 | 18h57

Responsável pela condenação e pelas duras penas aos políticos envolvidos no mensalão, Barbosa desbancou concorrentes de peso. Com o reforço de mais 15 mil adereços, que serão entregues até o Carnaval, nos dias 10 e 11 de fevereiro, o magistrado terá 40 mil máscaras distribuídas em todo o País. A segunda mais vendida, do jogador Neymar com seu penteado característico, não passou de 4 mil máscaras comercializadas.

No universo político, nem o ex-presidente Lula - nas versões com e sem barba - nem a presidente Dilma Rousseff fizeram frente ao prestígio das máscaras de Barbosa. O prefeito do Rio, Eduardo Paes, também foi superado - suas máscaras estão encalhadas nos estoques. Sucesso em carnavais passados, as máscaras de José Dirceu também tiveram queda na procura após sua condenação no julgamento.

Mesmo com o reforço na produção, as últimas encomendas para as máscaras de Joaquim Barbosa ainda estão em análise. "Em São Paulo, os pedidos vieram muito tarde e não sei se conseguiremos atender. Não queremos que ninguém deixe de brincar o Carnaval com a máscara", contou Olga Valles, proprietária da fábrica. Recebendo novos pedidos diariamente, a empresa limitou as encomendas.

Pré

Baterias, marchinhas e fantasias já estão nas ruas do Rio desde o último fim de semana, quando os primeiros blocos iniciaram seus ensaios de rua. Até o próximo domingo, serão 18 blocos se apresentando em ensaios e prévias de seus sambas enredos, em diferentes pontos da cidade. Até o domingo seguinte ao Carnaval, serão mais de 400 blocos que devem reunir cerca de 5 milhões de pessoas.

O crescimento da procura pelas fantasias e os primeiros desfiles dão uma mostra do sucesso das máscaras de Joaquim Barbosa - ela é presença garantida nos ensaios. O adereço representa o ministro com seus óculos de aro redondo e o ar sóbrio que marcou sua atuação no julgamento do mensalão. Para completar o figurino, os foliões também apostaram em capas pretas, semelhantes à usada nas sessões do STF. No Saara, o conjunto custa cerca de R$ 12.

"Fica parecendo um super-herói, que é como muitas pessoas enxergam ele. Para a gente também é como se ele fosse um. As fantasias de heróis sempre são as que mais vendem", relatou Claúdio Muniz, gerente de uma loja especializada em fantasias e adereços de Carnaval.

No quesito samba enredo, o presidente do Supremo também é sucesso. Ele é citado em marchinhas de diferentes blocos e virou tema de enredo no bloco `A pauta caiu'', formado por jornalistas de São Gonçalo, na região metropolitana. A letra do samba se refere ao magistrado como "Barbosão" e diz que, com ele, "a piada de salão não vingou lá em Brasília." Na fantasia, uma caricatura retrata o ministro tocando bumbo com o martelo símbolo da Justiça.

"Queríamos falar de piadas de salão e a referência a ele surgiu e agradou a todos", contou o idealizador do bloco, Kiko Charret. Segundo ele, o ministro foi escolhido como tema pela sua personalidade e atuação no julgamento. "Vou entregar uma camisa para ele, que gosta de Carnaval e deve vir ao Rio. Quem sabe ele não tira uma foto com nossa homenagem?"

Apesar da agitação e do clima de carnaval já tomar conta da cidade, a prefeitura informa que as atividades oficiais só começam na próxima semana. A lista definitiva dos blocos autorizados a desfilar, os horários e locais de apresentação e a estrutura de apoio aos desfiles, como sanitários e policiamento, só serão definidos na próxima semana.

Mais conteúdo sobre:
carnavalRioconsolida

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.