Rio vai tombar 88 jardins de Burle Marx

A prefeitura do Rio vai tombar o conjunto de obras que Roberto Burle Marx, considerado um dos maiores paisagistas do século passado, legou à cidade. Dos 88 jardins já inventariados, 22 estão em imóveis privados, sem acesso público. A decisão foi anunciada pelo subsecretário de Patrimônio Cultural, Intervenção Urbana, Arquitetura e Design do Rio, o arquiteto Washington Fajardo. Segundo ele, o processo deverá ser concluído em 20 dias. Então, faltará apenas a assinatura do prefeito Eduardo Paes (PMDB).Mas o tombamento não basta. Fajardo reconheceu a necessidade de um mecanismo para garantir a conservação dos bens. Ele afirmou que pretende criar um fundo com objetivo de ?assegurar recursos para manutenção?. ?A gente não pode deixar de tombar pelo fato de hoje não ter dinheiro para isso. Não podemos mais perder acervos.?Para Fajardo, o tombamento é uma forma de reconhecimento da responsabilidade do poder público. ?Também é um ato simbólico, comemorativo, mais uma das homenagens?, disse, referindo-se ao centenário de nascimento do paisagista. Segundo ele, a ?plasticidade das obras de Burle Marx alcança grau de erudição, é única, inaugural?. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.