Reuters
Reuters

Risco de obesidade é o dobro em crianças nascidas por cesárea, diz estudo

Segundo pesquisa, maior risco de sobrepeso na infância poderia estar relacionado a diferenças na flora do aparelho digestivo do bebê causadas pelo tipo de parto

Emily Selvadurai, BBC

24 Maio 2012 | 05h33

Crianças nascidas por cesárea têm duas vezes mais risco de ficar obesas do que as que vieram ao mundo por parto normal, segundo uma pesquisa americana.

De acordo com pesquisadores do Boston Children's Hospital, em Massachusetts, quando as crianças atingem os três anos, o nível de obesidade é duas vezes maior entre as que nasceram por cesariana.

A equipe acredita que a cirurgia possa afetar a flora bacteriana do aparelho digestivo, causando alterações no modo como o alimento é digerido. Segundo os especialistas, haveria diferenças na composição da flora bacteriana do aparelho digestivo adquirida no parto normal e na cesária.

O estudo acompanhou 1.255 mulheres com seus bebês de 1999 a 2002 e foi publicado no Archives of Disease in Childhood.

Os bebês foram medidos e pesados ao nascer e quando atingiram três anos. Cerca de um quarto havia nascido por cesárea e o restante por parto normal.

Os pesquisadores encontraram uma relação entre massa corporal, espessura da pele e a forma como a criança nasceu.

Eles também descobriram que as mulheres que fizeram cesária tendiam a pesar mais que as que tiveram parto normal - uma característica que poderia influenciar a tendência a obesidade em seus bebês.

Segundo Patrick O'Brien, porta-voz do Royal College de obstetras e ginecologistas, apesar de os resultados serem interessantes, a amostra do estudo ainda é pequena: "É preciso tentar replicar esses resultados em um grupo maior de mulheres."

 

BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC

 

Mais conteúdo sobre:
also obesidade infantil cesárea parto

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.