Riscos do Vioxx começam antes do que se dizia, afirma estudo

O risco cardíaco provocado peloantiinflamatório Vioxx, do laboratório Merck, começa muitoantes dos 18 meses de uso, segundo estudo que contradizdeclarações do fabricante e de seus cientistas. O estudo, realizado com 2.434 pacientes e publicado naquarta-feira pela New England Journal of Medicine, foi suspensoantecipadamente quando o medicamento foi retirado do mercado,em setembro de 2004. Embora a duração média do tratamento tenha sido apenas de7,4 meses, os pesquisadores concluíram que o Vioxx (nomegenérico: rofecoxib) estava associado a um aumento nafrequência de incidentes cardiovasculares, como dores no peito,enfartos, derrames, coágulos e morte súbita por problemascardíacos. A Merck disse que o estudo publicado na revista é apenasuma pequena parte da história do Vioxx, longe de serconclusiva. Os pesquisadores argumentaram que o estudo foilimitado pelo número relativamente baixo de incidentescardíacos --15 no grupo do Vioxx, 6 no grupo que usou placebo--e pela duração abreviada. "Entretanto, nossas conclusões sugerem um risco aumentadode eventos cardiovasculares de trombose em pacientes escolhidosaleatoriamente para receberem rofecoxib", disseram ospesquisadores, explicando que esse risco ocorre durante otratamento e nos 14 dias seguintes. O estudo foi liderado por David Kerr, da Universidade deOxford (Grã-Bretanha). Kent Jarrell, porta-voz da Merck, disse que o estudo "nãodeve ser tomado fora do contexto". "É muito difícil tirarconclusões significativas do pequeno número de eventoscardiovasculares nesta pesquisa, porque ela foi concluídaprematuramente." (Por Bill Berkrot)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.