Alejandro Pagni/AFP
Alejandro Pagni/AFP

River Plate também vai recorrer de decisão da Conmebol sobre final da Libertadores

Além de apelar contra punições, clube reivindicará condição de mandante da partida que foi remarcada para Madrid, na Espanha

O Estado de S.Paulo

30 de novembro de 2018 | 04h42

BUENOS AIRES - Da mesma forma que o Boca Juniors, o River Plate anunciou na noite desta quinta-feira, 29, que também deverá recorrer contra a decisão da Conmebol que remarcou a final da Copa Libertadores para o dia 9 de dezembro no estádio Santiago Bernabéu, em Madrid, na Espanha. O clube reivindicará a condição de mandante da partida.

Por meio de um comunicado oficial, o River Plate anunciou, ainda, que apelará contra as punições impostas pela Conmebol. Por conta dos incidentes registrados no sábado, 24, a entidade determinou que o clube deverá jogar com portões fechados nas próximas duas partidas internacionais e fixou uma multa de US$ 400 mil ( cerca de R$ 1,54 milhão).

"O Clube Atlético River Plate informa que realizará os procedimentos legais e as apelações pertinentes em relação ao resolvido no dia de hoje pela Conmebol e pelo seu Tribunal Disciplinar, em relação à transferência de sede disposta sobre o jogo final da Taça Libertadores 2018, a sanção econômica e a proibição de disputar com público dois jogos oficiais organizados pela Conmebol", diz o texto publicado pelo River Plate.

Recursos do Boca Juniors

Depois de o Tribunal Disciplinar da Conmebol informar que não aceitou o pedido para que o River Plate fosse desclassificado da Libertadores, o Boca Juniors também divulgou um comunicado anunciando que deverá recorrer da decisão. O clube pode acionar a Corte Arbitral do Esporte para ser declarado campeão do torneio continental.

Seguindo as decisões do Tribunal Disciplinar da Conmebol, o Boca Juniors informa que não compartilha dos argumentos do mesmo e os considera claramente contrários ao regulamento e às jurisprudências anteriores. Serão interpostos os recursos perante a Câmara de Apelações da Conmebol e, eventualmente, perante o Tribunal Arbitral do Esporte", disse o início do comunicado. \ EFE.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.