Roberto Lavagna lança candidatura na Argentina

Ex-ministro de Duhalde e Kirchner concorrerá com mulher do atual presidente.

Marcia Carmo, BBC

21 Julho 2007 | 16h48

O ex-ministro da Economia da Argentina, Roberto Lavagna, lançou neste sábado sua candidatura à Presidência do país, com ataques contra o casal Kirchner - o presidente Nestor Kirchner e sua mulher e candidata à sua sucessão, Cristina Fernández. "Eles só estão preocupados em manter o poder", criticou Lavagna. "E estão desperdiçando a oportunidade de gerar um crescimento econômico que chegue a todos os argentinos." No discurso, ele prometeu ainda uma "cruzada contra a pobreza", caso vença as eleições presidenciais, com primeiro turno marcado para 28 de outubro. Lavagna lançou sua chapa presidencial, com seu candidato à vice, o senador Gerardo Morales, na localidade de Tílcara, na província de Jujuy, no norte do país. Morales é presidente do partido UCR (União Cívica Radical), o mais antigo da Argentina e historicamente opositor ao peronismo (movimento fundado pelo ex-presidente Juan Domingo Perón, do qual o ex-ministro se diz seguidor). Juntos, eles colocaram uma oferenda - com cigarros acesos e folhas de coca - à Pachamama (terra mãe, para os indígenas). Segundo a imprensa argentina, com o ritual, eles pediram favores e juraram promessas. Como o ex-ministro, a presidenciável Cristina Fernández de Kirchner, que lançou campanha na quinta-feira, é peronista e seu provável candidato a vice também é da UCR - o governador de Mendoza, Julio Cobos. Para analistas políticos, os dois casos confirmam a "era de fragmentação partidária" no país. Cristina é candidata da chamada Frente para a Vitória e Lavagna representa o UNA (Uma Nação Avançada, na tradução para o português). A pouco mais de três meses das eleições, Cristina lidera as pesquisas de opinião e venceria no primeiro turno. Pelos levantamentos, ela conta com cerca de 45% das intenções de votos e, como determina a Constituição para definir o vencedor nas urnas, muito mais que 10% de vantagem para o segundo colocado. Lavagna não chegaria a contar com 15% das intenções de voto, segundo as pesquisas. Roberto Lavagna foi um duro crítico da chamada conversibilidade, o sistema econômico que atrelou o peso ao dólar, na década de 1990. Foi ministro da Economia do governo de Eduardo Duhalde, no auge da pior crise econômica vivida pelo país, entre 2002 e 2003, e permaneceu no cargo na gestão de Nestor Kirchner até 2005, quando saiu por discordar da política do governo. Lavagna foi o arquiteto da confirmação do não pagamento da dívida pública privada argentina aos que investiram nestes títulos. Aquele calote foi decretado pelo ex-presidente Adolfo Rodríguez Saá, em 2001, e ficou conhecido como o maior da história do capitalismo. Atualmente, segundo analistas, o ex-ministro tem a simpatia de setores empresariais argentinos, do peronismo e do radicalismo (UCR). Mas não conquistou, até aqui, o apoio popular, como mostram as pesquisas de intenção de votos. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.