Rodovias que ligam SP ao interior e litoral têm lentidão

As rodovias que ligam a capital paulista às cidades do interior e ao litoral apresentam tráfego intenso no início desta tarde, de acordo com informações das concessionárias, da Polícia Rodoviária Estadual (PRE) e da Polícia Rodoviária Federal (PRF). A previsão é de que o movimento seja normalizado ao longo da tarde.

MARÍLIA LOPES, Agência Estado

21 de abril de 2011 | 14h03

A Fernão Dias tem 77 quilômetros de lentidão, no sentido Minas Gerais, da saída da capital até a cidade de Vargem. A Régis Bittencourt tem lentidão 27 quilômetros de tráfego lento no sentido Curitiba. O motorista enfrenta lentidão entre os quilômetros 310 e 337. Segundo a concessionária que administra a via, toda a extensão da Serra do Cafezal tem tráfego intenso, mas sem pontos de parada.

No Sistema Anhanguera-Bandeirantes, que liga a capital às cidades do interior, há lentidão na Rodovia dos Bandeirantes, sentido interior, do quilômetro 150 ao 152, na região de Campinas. Pela Anhanguera, o motorista enfrenta dificuldade entre os quilômetros 150 e 152 e entre o 16 e 59.

Pelo Sistema Anchieta-Imigrantes, que liga a capital paulista à Baixada Santista, a concessionária faz a Operação Descida. A Rodovia Imigrantes tem tráfego intenso, mas sem pontos de parada.

Já os motoristas que seguem rumo ao Vale do Paraíba ou ao Rio de Janeiro pela Rodovia Presidente Dutra enfrentam tráfego lento no sentido Rio de Janeiro entre o quilômetro 220 e o 219; também há lentidão entre os quilômetros 189 e 162 e o 151 e 117, por excesso de veículos. No sentido São Paulo, há lentidão entre o quilômetro 60 e o 64, em Guaratinguetá, por conta de obras na pista.

A rodovia Ayrton Senna tem ao todo 66 quilômetros de lentidão no sentido interior. Os pontos em que o motorista têm dificuldade são: 11 ao 24 km; 30 ao 48km ; 60 ao 78km; 80 ao 91 km e 124 ao 130 km.

Mais conteúdo sobre:
Rodoviastráfegoferikado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.