Roger Abdelmassih: Quatro mulheres já foram ouvidas

Quatro mulheres foram ouvidas até o momento no inquérito que investiga denúncia contra o médico Roger Abdelmassih, dono da maior clínica de reprodução assistida do País. Segundo a Secretaria de Segurança Pública, a primeira acusação corre em segredo de justiça e o depoimento das mulheres faz parte de uma nova denúncia. As depoentes estão sendo ouvidas pela delegada Celi Paulino Carlota, da 1ª Delegacia da Mulher.

MAÍRA TEIXEIRA, Agencia Estado

23 Agosto 2009 | 14h54

Abdelmassih foi preso na última segunda-feira, 17, sob a acusação de estuprar 56 mulheres. Os crimes teriam começado na década de 1970. O pedido de habeas corpus para o médico foi negado na quarta-feira,19, pelo Tribunal de Justiça de São Paulo. No mesmo dia o Conselho Federal de Medicina suspendeu seu registro profissional por tempo indeterminado. Abdelmassih está preso no 40º Distrito Policial, em Vila Santa Maria.

De acordo com o STJ, o Ministério Público (MP) de São Paulo, por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) - Núcleo São Paulo, denunciou o médico pelo crime de estupro, supostamente praticado contra 56 mulheres, a maioria ex-pacientes, baseando-se nas provas colhidas em inquérito policial instaurado no ano passado. O juiz Bruno Paes Stranforini, da 16ª Vara Criminal da Capital, aceitou a denúncia do MP contra o médico e decretou a prisão.

Mais conteúdo sobre:
Abdelmassihviolência sexaul

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.