Romney anunciará meta para independência energética dos EUA até 2020

O candidato presidencial republicano dos EUA, Mitt Romney, vai apresentar nesta quinta-feira propostas políticas que buscam atingir a independência energética norte-americana em 2020, com um forte aumento na produção de petróleo e gás natural em terras federais e na costa dos Estados Unidos.

STEVE HOLLAND, Reuters

23 de agosto de 2012 | 08h23

Romney vai revelar seu plano em uma empresa de caminhões e logística em Hobbs, Novo México, enquanto busca traçar um nítido contraste entre suas políticas energéticas e as do presidente e candidato à reeleição Barack Obama.

O republicano vai detalhar em partes como pretende reacender a geração de emprego nos Estados Unidos.

As políticas de energia de Romney são fortemente inclinadas para o aumento da produção de recursos à base de carbono, petróleo, gás e carvão, que os ambientalistas culpam pelo aquecimento global. Ele apresentará a política dois dias depois de rever alguns detalhes com os executivos da indústria petrolífera, que contribuíram para a sua campanha para levantamento de recursos em eventos no Texas.

Romney fará um prognóstico de que um plano de energia integral vai criar 3 milhões de empregos nos setores de energia e em outras áreas, parte de um esforço ambicioso para criar 12 milhões de empregos durante um mandato de Romney como presidente.

"Eu quero que todo americano que queira um bom trabalho, seja capaz de ter um", disse Romney aos republicanos em um evento para angariar fundos em Little Rock, na quarta-feira.

A peça central do plano de energia de Romney é permitir que os Estados gerenciem o desenvolvimento de energia em terras federais dentro de suas fronteiras, de acordo com um "Documento Branco" divulgado pela campanha e em um briefing para os jornalistas com os assessores antes do discurso.

Romney também liberaria áreas na costa leste para a exploração de petróleo e, particularmente iria reverter a decisão de Obama de suspender o operações na costa da Virgínia, após o derramamento de óleo da BP no Golfo do México, em 2010.

"Eu vou tirar proveito de nossos recursos energéticos: petróleo, gás, carvão, nuclear, energias renováveis, eólica, solar. A América do Norte será energeticamente independente no último ano de meu segundo mandato", disse.

(Reportagem adicional de Andy Sullivan, em Washington)

Tudo o que sabemos sobre:
EUAELEICOESROMNEYENERGIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.