Romney faz ofensiva pelo voto hispânico nos EUA

O pré-candidato presidencial republicano Mitt Romney iniciou uma ofensiva pelo eleitorado hispânico com o objetivo de reverter a ampla vantagem do presidente Barack Obama, democrata, em um grupo-chave de eleitores para a votação de novembro.

STEVE HOLLAND E SAM YOUNGMAN, REUTERS

23 Maio 2012 | 09h42

Em discurso a microempresários latinos em Washington, nesta quarta-feira, Romney deve salientar sua tese de que a saúde econômica dos EUA é o tema que mais interessa aos hispânicos --e a todos os norte-americanos-- na eleição de 6 de novembro, e que ele é o candidato mais qualificado para garantir isso.

O voto dos hispânicos pode ser decisivo na eleição, já que eles representam um contingente significativo em alguns Estados estratégicos, como a Flórida.

Pesa contra Romney o fato de, durante a fase de eleições primárias, ele ter defendido medidas duras contra a imigração ilegal. Pedindo anonimato, um assessor informal da campanha disse que Romney precisaria ter mais empenho junto o eleitorado latino.

"A campanha precisa pôr (anúncios) no ar e enviá-lo (Romney( a alguns eventos hispânicos, há muita coisa que precisa acontecer", afirmou.

Obama já direciona anúncios de rádio e TV para o eleitorado hispânico de Colorado, Nevada e Flórida desde 17 de abril, enquanto Romney só agora lançou sua primeira propaganda para a eleição geral num canal em espanhol.

Durante a campanha interna, o moderado Romney usou a questão da imigração para atrair o apoio dos republicanos conservadores. Defendeu, por exemplo, a "autodeportação" de imigrantes ilegais --a maioria dos quais hispânicos--, e criticou seu rival republicano Rick Perry por adotar no Texas uma medida que dá bolsas universitárias para filhos de estrangeiros em situação irregular.

Agora, Romney está praticamente garantido como candidato do Partido Republicano e precisará atenuar suas posturas.

"Romney estender a mão para eles e falar a eles de forma que seja respeitosa são coisas que irão valer a pena em longo prazo", disse o estrategista republicano Dave Carney.

Mas o republicano ainda está muito distante de reverter o que aconteceu na campanha eleitoral de 2009, quando Obama recebeu 67 por cento dos votos dos hispânicos, contra 31 por cento do rival Republicano John McCain.

Uma pesquisa do instituto Pew Research mostra que essa disparidade se ampliou, e que Romney hoje tem apenas 27 por cento das intenções de voto entre os hispânicos.

Mais conteúdo sobre:
EUAELEICOESROMNEYHISPANICOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.