Rosberg e Hamilton discordam sobre 'ordens de equipe'

O líder do campeonato da Fórmula 1, Nico Rosberg, e seu companheiro de Mercedes, Lewis Hamilton, discordaram novamente nesta quinta-feira, pouco antes de voltarem a brigar pelo título, no Grande Prêmio da Bélgica.

ALAN BALDWIN, REUTERS

21 Agosto 2014 | 17h33

De volta ao trabalho após a longa pausa de agosto, os dois pilotos foram questionados sobre as polêmicas "ordens de equipe" que ocorreram na corrida anterior, na Hungria.

Rosberg indicou que eles haviam discutido a situação, enquanto Hamilton disse que não houve conversa entre os dois e não via necessidade disso.

"Percebi que houve um pouco de confusão depois da Hungria, então é melhor não acrescentar muito, eu acho, e continuo a não dar muitos detalhes", disse Rosberg em entrevista coletiva sem a presença de Hamilton.

"Em geral, é claro, nós discutimos isso depois da corrida - apenas porque é importante rever uma situação como essa e saber como seguir."

"Agora estamos seguindo, mas, é claro, eu também aprendi várias coisas com essa corrida que vou tentar adaptar para o futuro", acrescentou o alemão, relaxado depois de um período de férias nas ilhas italianas de Capri e Ischia.

Rosberg tem 11 pontos à frente de Hamilton após 11 de 19 corridas, apesar de o britânico ter vencido cinco vezes contra quatro do alemão.

Na Hungria, Hamilton largou do pitlane, enquanto Rosberg foi pole e aparentemente estava a caminho de uma vitória confortável. Mas, com a corrida interrompida duas vezes pelo carro de segurança, Hamilton foi o terceiro e Rosberg, o quarto - com o alemão reclamando que seu companheiro de equipe não o deixou passar quando a equipe pediu para fazê-lo.

Hamilton alegou que Rosberg não esteve perto o suficiente e que não iria diminuir seu ritmo e sabotar suas próprias chances. A equipe posteriormente apoiou suas ações.

"Não houve (uma discussão). Eu não sei o que Nico disse, mas não sentamos todos juntos ainda", disse Hamilton a jornalistas quando perguntado sobre os comentários desta quinta-feira de Rosberg.

"Não estou certo de que isso precisa acontecer", acrescentou o campeão mundial de 2008."

"Cheguei aqui muito claro sobre o que deve ser feito e me sinto muito confortável com a forma como a equipe reagiu e a decisão que tiveram. Está muito claro para mim. Não tenho certeza se acontece o mesmo do outro lado", completou.

Mais conteúdo sobre:
F1ROSBERGHAMILTONDISCORDAM*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.