Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Rotulagem não é cumprida por empresas

A inda é difícil para o consumidor identificar os alimentos que contêm matérias-primas geneticamente modificadas. Segundo a Lei 4.680, aprovada em 2003, as empresas que usam no mínimo 1% de organismos transgênicos são obrigadas a trazer essa informação no rótulo do produto - o símbolo é uma letra "T" dentro de um triângulo amarelo, acompanhado da frase "transgênico", "contém transgênico" ou "produzido a partir de transgênico".

, O Estado de S.Paulo

23 de fevereiro de 2011 | 00h00

No entanto, a lei enfrenta resistência por parte da indústria alimentícia, que teme a rejeição dos consumidores. "De um lado, há resistência da indústria em rotular os produtos como transgênicos. De outro, há falta de fiscalização por parte do governo. A lei não é cumprida e o consumidor fica sem informação", diz Sérgio Leitão, diretor de campanhas do Greenpeace. Ele afirma que existe pressão para que a rotulagem não seja ampliada. "Há inclusive um projeto de lei do deputado Luis Carlos Heinze (PP-RS) que propõe eliminar o triângulo das embalagens", diz Leitão.

Além da lei federal, o Estado de São Paulo aprovou, em dezembro do ano passado, uma lei estadual obrigando as empresas a rotularem os produtos. "Nós já temos as leis para orientar o consumidor, mas é preciso que haja fiscalização", afirma Segundo Ricardo Sousa, diretor da Abrange, entidade que reúne produtores de grãos não transgênicos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.