Roubo no Guarujá-SP sobe 10% ao mês no 1º trimestre

Moradores, entidades e hotéis à beira mar redobraram a segurança para combater a onda de violência no Guarujá, na Baixada Santista. Com a ajuda de um tenente do Exército, porteiros e vigias de edifícios são treinados para evitar a ação de ladrões. A Polícia Militar também promete reforçar o patrulhamento . Os roubos no balneário vêm crescendo cerca de 10% por mês: passaram de 142 em janeiro, para 156 em fevereiro e 187 em março. Uma das últimas vítimas é um advogado filho de desembargador."Nos fins de semana e nas férias de julho teremos apoio da Rota (Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar) e Rocam (Rondas Ostensivas com Apoio de Motocicletas). Por prevenção, também reduzimos férias e licenças", afirma o major Marcelo Afonso Prado, comandante interino do Batalhão Policial Militar do Interior (21º BPM-I).Ainda no primeiro trimestre deste ano, 10 pessoas foram assassinadas no Guarujá. É quase o dobro do total registrado em igual período de 2007, quando foram contabilizados seis homicídios. No início do ano, o dono de um posto de gasolina foi executado após ser assaltado.A última vítima foi Paulo Isaac Puccinelli, 27 anos. Ladrões o atacaram no feriado de Corpus Christi, na Praia da Enseada. Ele é filho do desembargador Paulo Alfeu Puccinelli, do Tribunal de Justiça de Campo Grande (MS). Puccinelli levou um tiro no pulmão após ser assaltado por dois garotos, de 15 e 16 anos , na porta do prédio onde entrava. O rapaz está na Unidade de Terapia Intensiva num hospital da capital paulista. Os parentes proibiram informações sobre seu estado de saúde. Apesar disso, o delegado-assistente da cidade, Luiz Ricardo Lara, afirma que Guarujá está em ''perfeita segurança'' e não há motivo para pânico. As informações são do Jornal da Tarde.

AE, Agencia Estado

02 de junho de 2008 | 09h35

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.