RS tem 109 cidades com risco de febre amarela

Todos os municípios de risco, que ficam nas regiões noroeste e central, terão estratégia de vacinação

Fabiana Marchezi, do estadao.com.br,

09 Janeiro 2009 | 17h00

O governo do Rio Grande do Sul incluiu nesta sexta-feira, 9, mais dez idades consideradas áreas de risco da febre amarela: Itaara, Santa Maria, Silveira Martins, São Martinho da Serra, Ivorá, Faxinal do Soturno, São João do Polesine, Nova Palma, Pinhal Grande e Estrela Velha. De acordo com a Secretaria da Saúde do Estado, a lista subiu para 109.      Veja também: Rio Grande do Sul amplia área de risco de febre amarela  Febre amarela volta a matar no RS depois de 42 anosTodos os municípios de risco, que ficam nas regiões noroeste e central, terão estratégia de vacinação. Um total de 1 milhão e 75 mil doses de vacina foi disponibilizado para imunizar moradores e também as pessoas que viajam para estes locais. Ainda segundo a secretaria, técnicos do Centro Estadual de Vigilância em Saúde (CEVS) assessoram na investigação ambulatorial e epidemiológica. As vacinas são aplicadas pelos profissionais que já trabalham nos postos de saúde destes municípios. O Estado irá iniciar um plano de mídia na próxima segunda-feira, 12, em rádios e outdoors nas áreas de risco.A vacina contra febre amarela tem duração de dez anos e deve ser aplicada em crianças a partir dos nove meses de idade. Pessoas que pretendam viajar para os municípios de risco devem receber a dose com dez dias de antecedência. O mosquito transmissor da doença é característico das matas e vegetações à beira de rios e não sobrevive em áreas urbanas.Os outros municípios pertencentes à área de risco são: Alecrim, Alpestre, Ametista do Sul, Barra do Guarita, Bossoroca, Caiçara, Campina das Missões, Cândido Godói, Crissiumal, Derrubadas, Dezesseis de Novembro, Doutor Maurício Cardoso, Esperança do Sul, Frederico Westphalen, Garruchos, Horizontina, Iraí, Itacurubi, Jaguari, Jari, Mata, Nova Candelária, Nova Esperança do Sul, Novo Machado, Palmitinho, Pinheirinho do Vale, Pirapó, Planalto, Porto Lucena, Porto Mauá, Porto Vera Cruz, Porto Xavier, Roque Gonzales, Santiago, Santo Antônio das Missões, Santo Cristo, São Borja, São Francisco de Assis, São Luiz Gonzaga, São Nicolau, São Paulo das Missões, São Pedro do Sul, São Vicente do Sul, Tenente Portela, Tiradentes do Sul, Toropi, Três Passos, Tucunduva, Tuparendi, Vicente Dutra, Vista Alegre, Vista Gaúcha, Ajuricaba, Augusto Pestana, Boa Vista do Cadeado, Bom Progresso, Bozano, Caibaté, Capão do Cipó, Catuípe, Cerro Largo, Chiapetta, Coronel Barros, Cruz Alta, Entre-Ijuís, Eugênio de Castro, Giruá, Guarani das Missões, Humaitá, Ijuí, Jóia, Mato Queimado, Miraguaí, Nova Ramada, Pejuçara, Rolador, Salvador das Missões, Santa Rosa, Santo Ângelo, São Miguel das Missões, São Pedro do Butiá, Senador Salgado Filho, Sete de Setembro, Três de Maio, Tupanciretã, Ubiretama, Vitória das Missões, Alto Alegre, Boa Vista do Incra, Campos Borges, Espumoso, Fortaleza dos Valos, Jacuizinho, Júlio de Castilhos, Maçambara, Quevedos, Quinze de Novembro, Salto do Jacuí e Unistalda.   A decisão de ampliar a área foi tomada depois de exames laboratoriais comprovarem que a causa da morte de um macaco em Júlio de Castilhos, na semana passada, foi a febre amarela. Por questões de segurança, os técnicos da secretaria entenderam que deveriam formar uma espécie de cordão de segurança vacinando os moradores de todos os municípios vizinhos. Com isso, os 270 mil habitantes de Santa Maria, a maior cidade da região e uma das maiores do Estado, terão de buscar imunização, assim como os de Jari, Itaara, Ivorá, Nova Palma, Pinhal Grande, Silveira Martins, São Martinho da Serra, São Pedro do Sul e Toropi.   A Secretaria da Saúde já confirmou a morte de uma mulher, ocorrido no dia de Natal, por febre amarela, e investiga se uma segunda morte e uma internação tiveram como causa a doença. Nos três casos, as pessoas, que não estavam vacinadas, entraram em matas da zona de risco, onde vive o mosquito transmissor, e apresentaram os sintomas da febre amarela quando procuraram atendimento médico. Desde que percebeu que macacos estavam morrendo nas matas ciliares do noroeste do Estado, no final de novembro, o governo gaúcho vem vacinando os moradores da região e recomendando que os viajantes também se imunizem.   Nesta semana a Secretaria da Saúde recomendou que todos os jogadores e equipes de apoio dos clubes que vão disputar o campeonato gaúcho, bem como árbitros e jornalistas, tomem a vacina contra a febre amarela para viajaram a Ijuí e Santa Maria, cidades que estão na zona de risco e têm clubes participando da competição.   (Com Elder Oligari, de O Estado de S. Paulo)

Mais conteúdo sobre:
saúdefebre amarelaRS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.