Rumo à África

Faltam 222 dias para a Copa de 2010

Almir Leite e Jamil Chade, O Estadao de S.Paulo

31 Outubro 2009 | 00h00

À MODA GAÚCHA

Dunga manda recado a Pato

Dunga só chamou jogadores "estrangeiros" para os amistosos com Inglaterra e Omã. Ronaldinho Gaúcho ficou de fora. Muitos notaram. Outro "esquecimento", porém, quase não foi percebido. A ausência de Alexandre Pato da lista foi ofuscada pela incrível convocação de Hulk, mas tem significado relevante. Dunga não morre de amores pelo atacante do Milan e não se entusiasma de levá-lo à África.

Considerado por boa parte da crítica nacional como a maior revelação do futebol brasileiro pós-2006, Pato jamais apresentou na seleção o mesmo futebol de seu início no Inter gaúcho e de seus tempos atuais na Itália. Mas não é por isso que Dunga o descarta. Foi mais por seu jeito de ser.

Pato é mimado, não gosta de cobranças. Na Olimpíada de Pequim, no ano passado, xingou o técnico quando foi cobrado depois de perder chance de gol contra a China - era a terceira naquele jogo. Foi barrado, levou um pito, mas não se desculpou com sinceridade. Começou a perder pontos. Foi lembrado por Dunga outras vezes após tal episódio, mas continuou de nariz empinado. Acabou se queimando.

Em público, o treinador, quando lhe perguntam por que não convocou Pato, diz que já o conhece e que pretende abrir o leque. A amigos alega que não o convoca justamente porque o conhece. Dunga só pensará seriamente em contar com o atacante quando amadurecer. Mas desconfia que isso não ocorrerá tão cedo.

CONTRATEMPO

Parreira corre risco de rever planos

Corre risco de entrar água nos planos da África do Sul de fazer período de treinos com sua seleção no Brasil e na Alemanha. Carlos Alberto Parreira pretende trazer sua turma para a Granja Comary e depois levá-la para a cidade de Herzogenaurach. Mas admite existir um fator que pode atrapalhar o planejamento feito pela confederação sul-africana, com anuência de seu auxiliar, Jairo dos Santos: 12 dos principais jogadores da seleção anfitriã do Mundial atuam na Europa e dificilmente serão liberados por seus clubes em março e abril, meses considerados ideais para os treinos. Se não contar com pelo menos alguns deles, Parreira poderá rever a estratégia de preparação.

O CHORO DE UM PAÍS - O Brasil encantou o mundo em 1982, na Espanha, mas parou na Itália. A derrota por 3 a 2 no Estádio Sarriá, deixou uma nação desolada. Tristeza refletida no choro do garoto, na foto publicada no JT de 6 de julho e que rendeu prêmios a Reginaldo Manente.

CONFIANÇA

Torcida inglesa prepara invasão

Os ingleses estão apostando alto em Rooney, Lampard , Gerard e cia. Prometem "invadir"" a África do Sul. Estimativas conservadoras dão conta de que 25 mil torcedores do English Team irão à Copa, número que pode dobrar caso a seleção chegue à final. O entusiasmo é tanto que o presidente de uma associação de torcidas visitou o país para ver as condições locais. Só para comparar: os agentes de turismo brasileiros esperam levar 10 mil torcedores ao Mundial.

RECEITA CASEIRA

Brasil deve treinar em casa, diz internauta

A preparação da seleção para a Copa deve ser feita basicamente no Brasil, com o embarque para a África bem próximo da estreia. Essa é a opinião de 82,35% dos internautas participantes da enquete do estadao.com.br. Apenas 17,65% defendem a preparação já no continente africano. Em 2006, o fato de a seleção sequer ter passado pelo País antes da Copa foi apontado como um dos motivos do fracasso. A CBF já definiu que, agora, parte da preparação será no Brasil.

"Em Copa do Mundo, mais importante do que vencer é apresentar o melhor futebol. O que vale é o espetáculo.''

Telê Santana, técnico da seleção brasileira

nas Copas de 1982 e 1986, justificando sua opção pelo

futebol ofensivo,depois da eliminação na Espanha

ENQUETE

Numa Copa do Mundo, as seleções devem privilegiar o jogo bonito na luta pelo título ou optar por vencer de qualquer maneira?

Acesse o canal de esportes e registre a sua opinião

E-MAIL

rumo.africa@grupoestado.com.br

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.