Bryan Denton/NYT
Bryan Denton/NYT

Rússia e China alertam o Ocidente após ameaça de Obama à Síria

Países se opuseram a intervenções militares ao longo dos 17 meses de conflito

Reuters

21 de agosto de 2012 | 07h36

MOSCOU - O chanceler russo, Sergei Lavrov, fez um alerta ao Ocidente para que não tome qualquer ação unilateral sobre a Síria, afirmando que Rússia e China concordam que violações às leis internacionais e à Carta da ONU não são permissíveis.

Veja também:

link Exército Sírio Livre proíbe abusos e política partidária

link EUA consideram intervenção militar caso a Síria use armas químicas

forum CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

Rússia e China se opuseram a intervenções militares na Síria ao longo dos 17 meses de um conflito sangrento entre rebeldes e as tropas leais ao presidente sírio, Bashar al-Assad. Os dois países vetaram três resoluções defendidas por Estados árabes e potências ocidentais no Conselho de Segurança da ONU, que aumentariam a pressão sobre Damasco para encerrar a violência.

Lavrov, citado por agências de notícias russas durante encontro com um importante diplomata da China, fez os comentários um dia após o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, ter dito que as forças dos EUA poderiam agir contra Assad se ele usar armas químicas contra os rebeldes. Essas foram as palavras mais duras de Obama contra o regime sírio desde o início da revolta.

Rússia e China baseiam sua cooperação diplomática na "necessidade de seguir estritamente as normas das leis internacionais e os princípios contidos na Carta da ONU, e em não permitir suas violações", disse Lavrov, segundo a Interfax, durante o encontro com o conselheiro de Estado da China, Dai Bingguo. "Acredito que este é o único caminho correto nas condições de hoje", disse Lavrov.

 

Tudo o que sabemos sobre:
Primavera ÁrabeSíriaRússiaChina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.