Sergei Karpukhin/Reuters
Sergei Karpukhin/Reuters

Rússia propõe resolução para estender missão da ONU na Síria

País quer mudar foco da atual observação para buscar uma solução política para o conflito

MICHELLE NICHOLS, Reuters

11 de julho de 2012 | 07h31

NAÇÕES UNIDAS - A Rússia circulou entre os membros do Conselho de Segurança da ONU um esboço de resolução para estender a missão da Organização das Nações Unidas (ONU) na Síria por três meses. País pretende mudar o foco da atual observação de uma trégua que não foi cumprida e também buscar uma solução política para o conflito.

Veja também:

linkRússia envia navios de guerra à Síria, diz agência

linkRússia suspende venda de armas à Síria enquanto situação estiver instável

linkCurta nossa página no Facebook

O conselho, bastante dividido, deve decidir o futuro da missão, conhecida como UNSMIS, antes de 20 de julho, quando termina o mandato inicial de 90 dias. O enviado internacional de paz Kofi Annan deve apresentar ao conselho suas visões sobre a situação na Síria nesta quarta-feira.

Forças do presidente sírio, Bashar al-Assad, já mataram mais de 15 mil pessoas desde o início da repressão violenta aos protestos por democracia que começaram em março de 2011, segundo alguns líderes ocidentais. O governo de Damasco diz que os rebeldes, que lutam com apoio de desertores do Exército, mataram milhares de homens das forças do governo.

O esboço da resolução russa, circulado na terça-feira, não deve agradar aos Estados Unidos e aos membros do conselho europeu, que cobram a implantação de uma resolução sob o Capítulo 7 da Carta da ONU, que permite ao Conselho de Segurança autorizar ações desde a diplomacia e sanções econômicas à intervenção militar.

O vice-embaixador da Rússia na ONU, Alexander Pankin, disse que uma resolução sob o Capítulo 7 seria "contraproducente", no que ele descreveu como sendo uma "situação delicada".

Rússia e China já vetaram resoluções da ONU que aumentariam a pressão sobre Assad.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.