Russos pedem mudança em pesquisas brasileiras para o espaço

Os técnicos da comitiva russa que está no Brasil para fazer testesnos experimentos científicos que podem ser levados ao espaço recomendaram uma série demodificações nas pesquisas, todas com a intenção de aumentar a segurança dos tripulantes da nave Soyuz.Pela primeira vez, um astronauta brasileiro vai integrar uma missão espacial (batizada deCentenário, em homenagem aos 100 anos do primeiro vôo do 14 Bis), o tenente-coronel MarcosPontes. Junto com ele, devem ir nove pesquisas científicas produzidas no Brasil, em áreas da engenharia, física, microeletrônica, nanotecnologia e biotecnologia. A previsão é que a viagem aconteça no final de março.Os testes de laboratório para as mudanças nos experimentos serão feitos no Brasil, no InstitutoNacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), devendo começar em 6 de fevereiro Se aprovados, osestudos seguem para a Rússia, onde passarão por novos testes. Hoje, o gerente técnico da Agência Espacial Russa, Sergey Rybkin, elogiou o nível dosprojetos brasileiros e disse que a cooperação entre os dois países deve crescer ainda mais apartir de agora. Para o gerente da Missão Centenário, Raimundo Mussi, o primeiro passo para que os experimentosbrasileiros sejam aprovados já foi dado. "Fizemos um bom trabalho. Os pesquisadores estiveramatentos às considerações dos técnicos russos. O momento agora é de fazer as modificações necessárias", avaliou.Os responsáveis pela missão espacial e a comitiva russa participaram hoje de uma cerimônia deassinatura de atas. O evento finalizou as reuniões realizadas entre as duas delegações, queavaliaram os projetos durante esta semana.

Agencia Estado,

26 de janeiro de 2006 | 19h01

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.