Ryan diz que Obama compromete valores judaico-cristãos

Em uma ligação telefônica com eleitores evangélicos na noite de domingo, o candidato republicano à vice-presidente dos EUA, Paul Ryan, disse aos potenciais eleitores que o caminho do presidente Barack Obama para os Estados Unidos compromete os valores judaico-cristãos.

SAMUEL P. JACOBS, Reuters

05 de novembro de 2012 | 08h16

O comentário foi feito na reta final para as eleições presidenciais dos EUA, na terça-feira.

Falando à Coalizão da Fé e Liberdade, um grupo de cristãos conservadores, Ryan atacou a visão de Obama com termos duros.

"É um caminho perigoso", afirmou Ryan sobre o plano de Obama para os Estados Unidos. "É um caminho que aumenta o governo, restringe a liberdade e compromete estes valores, os judaico-cristãos, os valores da civilização ocidental que nos fizeram uma nação tão grande e excepcional em primeiro lugar."

Ryan disse que as políticas do presidente, particularmente sua restruturação do sistema de saúde em 2010, também conhecida como "Obamacare", restringem a liberdade religiosa.

"Ele estava falando sobre questões como liberdade religiosa e o 'Obamacare' -- temas que ele mencionou frequentemente durante a campanha'", disse o porta-voz da campanha de Romney, Michael Steel.

Na ligação telefônica no domingo, Ryan comentou a importância da sua fé católica em sua vida.

Após um fim de semana percorrendo o país, o candidato à vice-presidência conclui a campanha em seu Estado natal, Wisconsin, em um comício de noite em Milwaukee, na segunda-feira.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAELEICOESRYANOBAMAVALORES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.