Sábado à noite, no metrô? Eles estavam lá

Em vagão lotado como na hora do rush, ''Subway Party'' reuniu 300 jovens

Ana Bizzotto, O Estadao de S.Paulo

23 de novembro de 2009 | 00h00

Mesmo sem música, mais de 300 pessoas se espremeram em um vagão do metrô no sábado à noite para curtir a "primeira balada subterrânea" de São Paulo. Organizada pela internet, a Subway Party foi inspirada em festas realizadas no Japão, Inglaterra e Canadá. Com iPods, câmeras e muita animação, os participantes seguiram da estação Conceição até a Tucuruvi, na Linha 1-Azul.

"Essas manifestações para quebrar a rotina são uma tendência mundial. Acho genial, devia ter sempre", disse a estudante Jessica de Carvalho, de 21 anos. A poucos minutos da hora marcada, a plataforma já estava lotada. Bastou o "sinal" de início da festa - um jovem que fazia polichinelo no trem - para a multidão lotar o vagão isolado pelo Metrô especialmente para o evento. Segundo a assessoria do órgão, a segurança foi reforçada nas estações.

"Solta o som, DJ!", gritavam os participantes, que pularam a ponto de o vagão tremer. Os DJs Vinicius Puff e Jura levaram três sons e 20 músicas mixadas, mas não puderam tocar, por ordem do Metrô. Sem música, o jeito foi improvisar com palmas e hits de Raul Seixas e Mamonas Assassinas, além de clássicos de excursões escolares. A balada virou uma grande brincadeira, com direito a cartazes enigmáticos de fãs do seriado Chaves. Só faltou espaço para dançar: o vagão estava lotado como em horário de pico de dia útil.

Frequentador de flash mobs - intervenções urbanas rápidas - o estudante Rafa Mendes, de 23, participou de eventos do tipo na Europa. "Lá é mais organizado, mas não tão animado como aqui", compara. Um dos promotores da festa, que não se identificou, ficou satisfeito. "Foi uma forma de usar o espaço urbano de forma alternativa e divertida. Melhor e mais barato que ir ao shopping." Ele já anuncia a próxima mob: uma guerra de tubos de papelão no Elevado Costa e Silva, em 13 de dezembro. Interessado? Acesse www.wartube.com.br.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.