Sabesp admite possibilidade de 'rodízio de água' em São Paulo

A Companhia de Saneamento Básico de São Paulo (Sabesp) admitiu em seu relatório de sustentabilidade de 2013 a possibilidade de um rodízio de água caso os níveis dos reservatórios da companhia no Estado de São Paulo não sejam restabelecidos.

Reuters

09 Abril 2014 | 08h12

Temores de um racionamento de água surgiram neste ano diante da falta de chuvas no verão e do recuo nos reservatórios da empresa, com o Sistema Cantareira, que abastece parte da região metropolitana de São Paulo e algumas cidades do interior, atingindo um nível de 12,7 por cento nesta quarta-feira.

"Para suprir essa menor disponibilidade de água e continuar abastecendo a população, a companhia está realizando uma ampliação do uso da água de outros mananciais da região metropolitana de São Paulo", disse a Sabesp no relatório.

"Se as chuvas não retornarem a índices adequados e, consequentemente, os níveis dos reservatórios não forem restabelecidos, poderemos ser obrigados a tomar medidas mais drásticas, como o rodízio de água", acrescentou a empresa.

Em março, a companhia havia descartado a possibilidade de um racionamento de água, dizendo que essa medida seria muito danosa e geraria custos ainda maiores.

A Sabesp também informou em seu relatório de sustentabilidade que, caso um rodízio seja adotado, "o volume faturado de água poderá cair durante 2014 e os nossos custos poderão aumentar em função dos investimentos adicionais necessários para mitigar os efeitos da seca nos sistemas produtores de água".

(Por Roberta Vilas Boas; Edição de Marcela Ayres)

Mais conteúdo sobre:
EMPRESASSABESPRODZIO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.