Sacerdote é preso por pedofilia em Alagoas

ARAPIRACA (AL)

Ricardo Rodrigues, O Estado de S.Paulo

19 Abril 2010 | 00h00

O monsenhor Luiz Marques Barbosa, de 82 anos, foi preso ontem à noite, após prestar depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito que apura casos de pedofilia no Brasil. A prisão foi pedida pelo presidente da CPI, senador Magno Malta (PR-ES), em Arapiraca, a 146 quilômetros de Maceió, após outro sacerdote acusado de abuso sexual de menores, padre Edilson Duarte, fazer um acordo de delação premiada.

Duarte não apenas admitiu que abusou sexualmente de ex-coroinhas como disse que os outros dois acusados ? Barbosa e o também monsenhor Raimundo Gomes ? praticavam o mesmo crime contra os três denunciantes, desde que eles tinham 14 anos. Além disso, Duarte afirmou que dinheiro do dízimo era usado para pagar os menores aliciados pelos três acusados.

Em acareação com Duarte, os monsenhores negaram as acusações. "Isso é um absurdo. Uma mentira deslavada", afirmou Barbosa, que aparece num vídeo fazendo sexo com um ex-coroinha de 19 anos. Os ex-coroinhas confirmaram as acusações e deram detalhes dos relacionamentos.

Duarte também começou por negar as acusações, mas decidiu assumir o crime e denunciar os demais em troca da delação premiada. Depois disso, disse-se ameaçado de morte e pediu proteção à CPI. Malta disse que aceitava o pedido e que solicitaria proteção à Polícia Federal.

"Peço segurança porque monsenhor Raimundo é muito perigoso e pode querer acabar com a minha vida", afirmou Duarte. Questionado, monsenhor Raimundo disse que não representaria nenhuma ameaça ao colega.

Monsenhor Luiz também confirmou que fez sexo com o jovem do vídeo, mas disse que foi apenas daquela vez. E ainda se disse "surpreso" com a prisão, que atribuiu ao fato de ter tirado passaporte recentemente ? ele afirmou que não tinha intenção de fugir. Seu motorista e sua empregada também foram presos, por falso testemunho. /

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.