SAIBA MAIS-Questão energética é nó nas reuniões de Lula e Chávez

Iniciadas em setembro de 2007, as reuniões trimestrais entre os presidentes Luiz Inácio Lula da Silva, do Brasil, e Hugo Chávez, da Venezuela, completam um ano neste mês, quando os dois líderes voltam a se encontrar em Manaus. Debatida em todos os encontros, a questão da integração energética continua sendo um nó a ser desatado. Veja a seguir o que foi tratado em cada um dos encontros: 20 DE SETEMBRO DE 2007-MANAUS * Lula e Chávez conversam sobre a construção do Gasoduto do Sul, a exploração de campos de petróleo na Venezuela e a construção da refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, parceria entre Petrobras e PDVSA. * A refinaria, que recebe investimentos de 4 bilhões de dólares, seria 60 por cento da Petrobras e 40 por cento da PDVSA. Com capacidade para processar 200 mil barris de petróleo por dia, metade proveniente de cada país, a refinaria tem o inicio das operações previsto para 2011. * Acertada a ida de uma missão da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) à Venezuela para projetos de cooperação pesqueira e agropecuária. * Conversam sobre a adesão da Venezuela ao Mercosul. * Debatem a criação da União das Nações Sul-Americanas (Unasul) e orientam seus auxiliares que negociam a ata de fundação do Banco do Sul, que seria criado em dezembro. 13 DE DEZEMBRO DE 2007-CARACAS * Assinado ato para ajustar convênio, de 1973, de apoio técnico para implementação de um banco de leite humano na Venezuela. * Acertam um programa de trabalho na área de cooperação industrial, a ser executado pela Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) e pelo Ministério para Indústrias Leves e Comércio da Venezuela. * É fechada parceria entre a Fundação Oswaldo Cruz, a ABDI e a Empresa Brasileira de Hemoderivados e Biotecnologia (Hemobrás) com os ministérios de Ciência e Tecnologia, Saúde e Indústrias Leves e Comércio da Venezuela. O acordo é para a produção de vacinas, medicamentos, equipamentos para diagnósticos, nanotecnologia e capacitação de pessoal. 26 DE MARÇO DE 2008-RECIFE * Lula e Chávez visitam o canteiro de obras da refinaria Abreu e Lima. As obras de terraplanagem começaram em setembro do ano anterior, com participação exclusiva da Petrobras. * Petrobras e PDVSA assinam contrato de associação para a construção da refinaria, o que seria o último passo antes do acordo definitivo. * A Petrobras anuncia que sua participação no projeto de Carabobo será de no máximo 10 por cento. * Comemoram as inaugurações dos escritórios da ABDI e da Embrapa em Caracas, ocorridas no dia 10 do mesmo mês. A Venezuela oferece 100 milhões de dólares para financiar as atividades das duas instituições no país. * Comemoram a assinatura de um convênio para a formação de 2 mil venezuelanos em nível de doutorado no Brasil. É anunciado o início de negociações para distribuição de filmes brasileiros na Venezuela e de filmes venezuelanos no Brasil. * Aprovam os fundamentos de uma zona de integração fronteiriça para garantir no futuro a livre circulação de pessoas, a facilitação do comércio e o acesso a serviços públicos e educação pela população dos dois países. * Definem as diretrizes para futuros projetos conjuntos na Amazônia de proteção ao meio ambiente e ordenamento fundiário. * Fecham memorando de entendimento para dar garantias à segurança alimentar dos dois Estados. 27 DE JUNHO DE 2008-CARACAS * Chávez e Lula assinam sete atos de cooperação nas áreas espacial, ciência e tecnologia, siderurgia e meio ambiente. * Os presidentes voltam a lamentar as divergências entre Petrobras e PDVSA e conclamam as duas empresas a assinar o mais rápido possível o estatuto social e o acordo de acionistas da refinaria Abreu e Lima. * Pedem também aos seus respectivos ministros que solucionem as pendências das negociações para a exploração e produção do Campo de Carabobo. * Comemoram contrato de fornecimento de gás natural liquefeito (GNL) venezuelano à Petrobras a partir de 2014. * Embrapa acerta instalação de um pólo produtor de soja de 40 mil hectares na Venezuela até o fim de 2008. (Reportagem de Fernando Exman)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.