Samcil tem prazo para negociar carteira de clientes

Se até sexta-feira a operadora não tiver concluído a negociação, ANS fará oferta pública, convocando empresas interessadas

Karina Toledo, O Estado de S.Paulo

27 de abril de 2011 | 00h00

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) deu prazo até sexta-feira para que a operadora Pró-Saúde Planos de Saúde (Samcil) negocie sua carteira de beneficiários. A empresa enfrenta graves problemas financeiros e, no último mês, fechou a porta de seu principal hospital na Grande São Paulo. Estima-se que cerca de 90% da rede credenciada tenha cancelado o atendimento por falta de pagamento.

Os únicos hospitais da Samcil que ainda estão em funcionamento são o Hospital Vasco da Gama, no Brás, e o Hospital e Maternidade São Leopoldo, em Santo Amaro. No entanto, um funcionário do grupo que pediu para não ser identificado revelou ao Estado que essas unidades estão sendo esvaziadas desde o último fim de semana por falta de condições de funcionamento.

"Faltam equipamentos, alimentação e até antibióticos", disse o funcionário. Ele afirmou ainda que os pacientes estão sendo encaminhados para hospitais públicos ou unidades credenciadas à operadora Serma Assistência Médica, que pertence à Samcil.

Ontem, a reportagem esteve no Hospital Vasco da Gama e verificou que pelo menos dois dos 11 andares do prédio já estão desativados. Na sala de espera do pronto-socorro, pacientes e familiares estavam descontentes com o atendimento.

"Eu tive de esperar três meses para conseguir uma consulta com ortopedista. Seria mais fácil se tivesse ido a um posto de saúde", reclama a despachante Margareth Bifulco.

Ela afirma que, por mais de uma vez, passou por consulta e, quando retornou com os exames, descobriu que o médico tinha se descredenciado por falta de pagamento da operadora.

A aposentada Vera Lúcia Polastro conta que sua mãe está internada na unidade desde fevereiro e notou a piora no serviço. "É uma decadência total. Diminuiu o número de funcionários, falta lençol, papel toalha, tudo. Minha mãe precisou consultar um neurologista e disseram que não tinha nenhum médico que atendesse pelo plano em São Paulo", afirma.

Muitos também reclamam da dificuldade para agendar exames. "Você chega nas clínicas e laboratórios credenciados e eles dizem que não estão atendendo por falta de pagamento. Mas ninguém avisa nada", conta a bancária Valéria de Freitas, que acompanhava a mãe no pronto-socorro para tratar uma pneumonia.

Agravamento. A Samcil tem enfrentado problemas financeiros desde 2007. A crise se agravou no início deste mês, após a morte do presidente do grupo, Luiz Roberto Silveira Pinto. No dia 6, o Hospital e Maternidade Mauá - único que ainda prestava serviços na região do ABC - fechou as portas. Cerca de três dias depois, foi fechado o Hospital Panamericano, na Vila Madalena, principal unidade da rede.

Em nota divulgada ontem, a ANS revela que "desde janeiro a Samcil está em regime especial de direção fiscal, sendo acompanhada por um profissional nomeado pela ANS em razão de ter apresentado graves problemas econômico-financeiros nos balancetes enviados à Agência."

A ANS decidiu determinar a alienação total da carteira de beneficiários da Samcil. Se após o prazo de cinco dias não estiver concluída a negociação, a agência fará uma oferta pública, convocando operadoras interessadas em ofertar propostas de novos contratos aos beneficiários.

Pagamento em dia. A agência recomenda aos usuários que mantenham o pagamento de seus boletos em dia para garantir o direito à migração para uma nova operadora.

A ANS também poderá instituir a portabilidade especial de carências para todos os beneficiários da Samcil, caso não apareçam empresas interessadas em adquirir a carteira.

A reportagem tentou ontem entrar em contato com a assessoria de imprensa da Samcil, mas não obteve retorno até o fechamento desta edição.

Queda

193,6 mil

beneficiários fazem parte da carteira da Samcil, segundo dados da ANS. A maioria deles

é do Estado de São Paulo. No auge do funcionamento, a empresa chegou a atender mais de 600 mil usuários

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.