Sandália deixa prostitutas conectadas com a polícia

Calçado desenvolvido nos EUA tem sirene e localizador GPS contra pessoas "mal-intencionadas"

30 Agosto 2007 | 14h55

Uma sandália tecnológica criada em Nova Jersey, nos Estados Unidos, tem um público-alvo bem específico: prostitutas. Os riscos comuns à profissão, de pessoas "mal-intencionadas" podem ser diminuídos com o novo calçado, que tem GPS, sirene e se comunica diretamente com a polícia.    Mais imagens da sandália   A sandália foi desenvolvida pelo Projeto Aphrodite e estará disponível para test-drive numa galeria americana em setembro. Não há data para início das vendas, segundo a revista Wired.   A sandália conceitual tem um sistema de alarme. Quando a usuária aperta esse botão, um localizador que informa onde ela está - os dados poderão ser passados para a polícia ou para grupos que defendem os direitos das prostitutas. De acordo com o site da Wired, essa localização GPS é transmitida via APRS, um sistema que utiliza freqüências de rádios amadores para divulgar informações.   Neste evento do "test-drive", uma palestra vai ensinar como criar seu próprio alarme sonoro para proteção por cerca de US$ 10. "O sistema é montado facilmente, não exige conhecimentos específicos. Além dos sapatos, ele também pode ser usado em bolsas, jaquetas e outras peças de roupa", diz o anúncio.

Mais conteúdo sobre:
Sandália Estados Unidos GPS

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.