Sanguinetti admite divergência com avô de Isabella

George Sanguinetti, médico alagoano contratado pela família Nardoni para analisar os laudos periciais do caso Isabella voltou a Alagoas para tranqüilizar seus familiares. Ele reconheceu que teve divergências com Antônio Nardoni, avô de Isabella e responsável por sua contratação. O casal Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá está preso, acusado pela morte da menina. "Sofri uma pressão muito grande", disse hoje em entrevista à Agência Estado. "Meus filhos estavam com medo do que poderia acontecer comigo em São Paulo."Sanguinetti garante, no entanto, que na terça-feira volta à capital paulista para continuar as investigações sobre a morte de Isabella. "Não me consta que eu tenha sido dispensado. Quando começo uma luta, vou até o fim." Sobre a divergência com Antônio Nardoni, comentou: "Ele, que é advogado, disse não haver materialidade jurídica em minha suspeita de que a menina foi vítima de violência sexual. Mas eu, que sou da medicina Legal, preciso discutir as lesões na genitália. É uma divergência de especialidades."De acordo com os laudos oficiais, Isabella foi esganada e jogada do 6º andar do prédio em que moram Alexandre, seu pai, e a mulher dele, Anna Carolina, no dia 29 de março. Eles respondem pelo homicídio e por fraude processual. Desde o início da apuração afirmam ser inocentes. Em entrevista coletiva na última segunda-feira, Sanguinetti sustentou que Isabella não foi esganada. Também levantou a suspeita de que ela teria sofrido abuso sexual, com base em lesões na região genital da garota apontadas nos laudos oficiais. "Não tenho como afastar essa possibilidade. O próprio laudo atesta que o ferimento não foi causado pela queda", disse hoje.Sanguinetti explica que desistiu de fazer uma verificação no local do crime ontem pela necessidade de reforçar sua equipe antes da reconstituição. Sem revelar em que dia ocorrerá o trabalho, Sanguinetti afirmou que trará a São Paulo um perito criminal, um hematologista e um engenheiro. "O especialista em sangue investigará a questão do perfil genético descrito nos laudos e o engenheiro fará cálculos da velocidade com que o corpo caiu da janela e do impacto com que se chocou contra o chão."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.