Santos e São José do Rio Preto têm epidemia de dengue

Com o aumento do número de casos de dengue nos últimos dias no Oeste Paulista e na Baixada Santista, os municípios de Santos e São José do Rio Preto decretaram situação de epidemia. De acordo com informações da Secretaria Estadual da Saúde, até a última quinta-feira (4) foram registradas 12 mortes este ano em todo o Estado e há 42.445 casos confirmados. O número representa uma taxa de incidência da doença considerada média (102,9 casos para cada 100 mil habitantes). De acordo com o Ministério da Saúde, há Estados em que essa taxa chega a 3.105 casos.

GABRIELA VIEIRA, Agência Estado

11 de abril de 2013 | 17h49

Em São José do Rio Preto, o número de casos notificados até esta quarta-feira (10) chegava a 21.838 - 4.940 foram confirmados. Três pessoas morreram. Os números mostram um aumento expressivo em relação a todo o ano passado, quando houve 433 casos na cidade.

Em Santos, a situação é semelhante. Na última segunda-feira (8) a cidade apresentava 4.045 casos de dengue confirmados, com um óbito e outros três em investigação. Em 2012, foram 535 casos e nenhum óbito.

As secretarias municipais da Saúde lembram que a última epidemia nos dois municípios aconteceu em 2010. Na ocasião, Santos teve mais de 8.000 pessoas infectadas e 23 óbitos. Em São José do Rio Preto, a epidemia atingiu 24.286 pessoas e houve 11 vítimas fatais.

As autoridades de saúde destacam que o aumento no número de casos está em parte relacionado a um novo tipo do vírus presente no País, o DEN-4. Como essa variação não circulava no Estado há mais de duas décadas, uma parcela maior da população está suscetível à doença.

"No caso da dengue, uma vez que a pessoa contrai um dos vírus, ela produz anticorpos específicos e fica imune àquele sorotipo da doença", explica o chefe do laboratório de virologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Celso Granato. "São quatro as variações do sorotipo da dengue e a gravidade da doença pode ser maior no caso de uma segunda infecção." Segundo Granato, não é possível estabelecer uma relação direta, mas quando há uma maior probabilidade de casos graves, estatisticamente há também um aumento no número de mortes provocadas pela doença.

Idosos

O Ministério da Saúde divulgou nota nesta quarta-feira (10) alertando para um índice maior de mortalidade pela doença em pessoas com mais de 60 anos. De acordo com os dados da pasta, pessoas nesta faixa etária tem 12 vezes mais risco de morrer por dengue. "As causas não estão completamente esclarecidas, mas podem estar relacionadas com a maior prevalência, nesta faixa etária, de doenças crônicas, como cardíacas, diabetes, entre outras", informou o secretário de Vigilância em Saúde, Jarbas Barbosa.

Tudo o que sabemos sobre:
dengueSPepidemia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.